Imprensa

Centro de imprensa

Notícias

Comunicados de imprensa

Discursos oficiais

Vídeos

Fotografias

Rede de jornalistas amigos da criança

Dia Internacional da Criança na Rádio e Televisão

Calendário de eventos

Informação prática

Contacte-nos

Galeria de fotos

 

Rápida expansão de programas de PTV aumenta as oportunidades de sobrevivência de crianças nascidas de mães vivendo com HIV

© UNICEF Moçambique/Emidio Machiana
Mariana (direita) e o seu filho recém nascido Carlos sob uma rede mosquiteira no Centro de Saúde Malahice. Ambos são assistidos pela enfermeira Maria Dulce (esquerda).

Chibuto, província de Gaza, 2008 – Até cerca de dois anos atrás, havia muito pouca esperança para crianças nascidas de mães vivendo com HIV em Malahice, província de Gaza. A falta de serviços de saúde materno-infatis adequados nesta zona rural remota significava que muitas crianças perdiam a vida desnecessariamente nos seus primeiros meses de vida.
  
“Perdi o meu primeiro bebé logo após o nascimento, e o meu segundo filho faleceu três meses depois”, diz Mariana*, enquanto faz uma carícia na testa do seu filho recém nascido na maternidade do Centro de Saúde de Malahice. Faz exactamente um dia que o seu filho Carlos*, o terceiro, veio ao mundo.

Aconchegado num confortável cobertor, Carlos dorme ao lado da sua mãe, protegido do radiante feixe de luz do sol que entra pelas largas janelas da maternidade.

“Foi por isso que concordei em fazer o teste do HIV”, diz Mariana, sorrindo para o seu filho com um olhar de esperança. “Agora estou no programa de PTV, e tenho seguido todas as recomendações que as enfermeiras me dão para prevenir que Carlos seja infectado. Tenho esperança que pelo menos este filho venha a sobreviver.

Mariana tem bons motivos para desejar um melhor futuro para o seu filho recém nascido.

Como parte de um programa de expansão da Prevenção da Transmissão Vertical (PTV), isto é, da mãe para a criança, o Centro de Saúde de Malahice oferece agora um pacote abrangente de serviços, que ajuda as mães e crianças a receber todos os serviços de prevenção, tratamento e cuidados que precisam durante a gravidez e depois.

A introdução, nos finais de 2006, do aconselhamento e testagem do HIV como parte da consulta pré-natal significou que mulheres grávidas têm agora acesso a teste e aconselhamento sobre HIV de forma rotineira, o que levou a um aumento de mulheres que conhecem o seu estado de saúde em relação ao HIV e que integram os programas de PTV.

As mulheres que são testadas positivas recebem um linha de tratamento combinado antiretroviral durante a sua gravidez e durante o parte. Os seus bebés recebem medicação dentro das 24 horas após o parto.

© UNICEF Moçambique/ Emidio Machiana
Mães vivendo com HIV e suas crianças recebem cuidados de saúde providenciados por enfermeiras devidamente treinadas no Centro de Saúde de Malahice.

Mas o tratamento é apenas parte do pacote. Os serviços de PTV incluem também apoio psico-social, planeamento familiar e informação sobre nutrição e opções para a alimentação do bebé para reduzir o risco de transmissão durante o aleitamento materno. Bebés nascidos de mães seropositivas são integrados num programa especial de “Crianças em Risco”, que envolve acompanhamento próximo do seu estado de saúde durante as vacinações e pesagem, bem como referência para tratamento antiretroviral caso a condição da criança assim o requeira. 

A política nacional do Ministério da Saúde é integrar os serviços de PTV nos existentes serviços de saúde materno-infantil e liga-los aos outros serviços de saúde tais como tratamento pediátrico, controlo da malária e serviços de nutrição, uma abordagem que tem um impacto positivo na provisão dos serviços de PTV. 

Maria Dulce, uma enfermeira de saúde materno-infantil no Centro de Saúde de Malahice, diz que tem acompanhado uma mudança na atitude das mulheres que vem para a clínica.
“Não muito tempo atrás, poucas mulheres concordariam em fazer o teste do HIV ou ir para as consultas”, diz Dulce, que afirma que a falta de informação e o receio ainda mantém  algumas mulheres afastadas.

Em resposta, as autoridades de saúde, com o apoio do UNICEF, iniciaram actividades de extensão envolvendo parteiras tradicionais e líderes comunitários para aconselharem as mulheres sobre a importância de fazerem o teste do HIV e procurarem tratamento apropriado.

Por  outro lado, os Grupos das Mães Seropositivas, que são grupos de apoio e partilha de informação, estão disponíveis em cada centro de saúde que oferece serviços de PTV. Estes grupos estão abertos a todas as mulheres grávidas vivendo com HIV com filhos até aos 18 meses de vida.

A aceitação do teste do HIV nas consultas pré-natais e a aderência ao programa de PTV no Centro de Saúde de Malahice é agora de quase 100 por cento, explica Dulce.

“Todas as 124 mulheres grávidas que vieram à consulta pré-natal em Abril deste ano foram testadas, e as 39 testadas positivas estão agora no programa de PTV”, diz Dulce.

E tendências similares podem ser observadas ao longo do país. O número de mulheres grávidas fazendo o teste e recebendo aconselhamento nos serviços de PTV aumentou de 4.600 em 2002 para 360.000 em 2007.

Desde que o UNICEF iniciou ou apoio ao Ministério da Saúde na expansão do PTV seis anos atrás, o número de centros de saúde oferecendo PTV aumentou de 386 em Dezembro de 2007, estando disponível em cerca de metade dos centros de saúde, em relação a apenas 8 em 2002 em todo o país.

* Não os seus verdadeiros nomes.

 

 
Search:

 Email this article

unite for children