Imprensa

Centro de imprensa

Notícias

Comunicados de imprensa

Discursos oficiais

Vídeos

Fotografias

Rede de jornalistas amigos da criança

Dia Internacional da Criança na Rádio e Televisão

Calendário de eventos

Informação prática

Contacte-nos

Galeria de fotos

 

"Vivendo Juntos” ajuda as comunidades a cuidar das suas crianças vulneráveis

© UNICEF Moçambique/ Emidio Machiana
Crianças tornadas órfãs e vulneráveis recebem assistência de organizações baseadas na comunidade apoiadas pelo UNICEF, que providenciam apoio a agregados familiares chefiados por idosos e por crianças.

Distrito do Chókwe, Província de Gaza, Junho de 2008 – É já meio da manhã e Rosina, de 16 anos idade, encontra-se ainda em casa. Ela está atarefada a terminar os afazeres domésticos para ir à escola. O seu lar é uma pequena, velha e escura palhota, onde ela vive há cerca de um ano com os seus 3 irmãos mais novos. Rosina é a mais velha, o mais pequeno tem apenas 3 anos. A mãe faleceu há cerca de 2 anos. Nada sabem sobre o paradeiro do pai.

“Tomo conta dos meus irmãos como uma mãe”, diz Rosina. “A nossa vida aqui é muito difícil. Todos os dias tenho de ir cartar água num lugar um pouco distante, ir para o mato procurar lenha, cozinhar para os meus irmão e ir também à escola.”

Mas apesar das dificuldades, Rosina tem recebido apoio da comunidade, o que a  ajuda a sustentar a casa e a continuar a ir estudar.

“Dependemos do pouco dinheiro e comida que recebemos pelos pequenos trabalhos que fazemos nas machambas dos vizinhos, e da ajuda que recebemos da Vukoxa”, conta Rosina.

Vukoxa é uma associacão baseada na comunidade que apoia agregados familiares chefiados por crianças e idosos que cuidam de crianças tornadas órfãs e vulneráveis, no âmbito do programa “Vivendo Juntos”. Este programa é apoiado pela Help Age International, o UNICEF e outros parceiros, e tem por objectivo assegurar a integração de crianças órfãs e vulneráveis em escolas e assisti-las nas suas necessidades básicas, incluindo geração de rendimento, acesso à terra e crédito agrícola, água e saneamento adequado.

“Criamos um comité com membros da comunidade aqui em Chiaquelane porque verificamos existirem muitas crianças órfãs vivendo sozinhas e muitos idosos tomando conta de crianças, que precisavam da nossa ajuda” explica Anita Ussivana, Presidente do Núcleo da Vukoxa da comunidade de Chiaquelane, onde Rosina vive.

© UNICEF Moçambique/ Emidio Machiana
Activistas tais como Constância Novela (a direita) são treinados para providenciar apoio psico-social a crianças tornadas órfãs e vulneráveis vivendo em agregados familiares chefiados por idosos e por crianças.

“No ano passado os nossos activistas andaram de casa em casa para avaliar a situação da comunidade. Foi assim que encontramos Rosina e seus irmãos”, acrescenta Anita Ussivana.

Desde então, estas crianças têm recebido apoio em material escolar, uniforme escolar, roupas, sabão, registo de nascimento e acesso a serviços de saúde. Inclusive uma latrina comunitária foi recentemente construida pela Vukoxa na comunidade. 

A Vukoxa tem também treinado uma rede de activistas designados “ouvintes” e “paralegais”, que providenciam apoio psico-social e legal às crianças órfãs e vulneráveis e às pessoas idosas em situação de vulnerabilidade.

Constância Novela, de 42 anos, activista da Vukoxa, tem providenciado apoio psico-social a Rosina e seus irmãos.

“Venho visita-los pelo menos duas vezes por mês, ouvir quais as suas preocupações, aconselha-los e ajuda-los no que precisam”, afirma Constância Novela. 

Cerca de 146 crianças tornadas órfãs e vulneráveis são actualmente apoiadas pela Vukoxa em Chiaquelane.

Alguns dos activistas são também treinados como “contadores de estórias”, e trabalham nas escolas na promoção da história local e educação moral e cívica às crianças e adolescentes.

Através de associações como a Vukoxa, em coordenação com as autoridades locais e com o apoio do UNICEF e parceiros, crianças em situação de vulnerabilidade como Rosina e seus irmãos são referenciados para serviços sociais básicos de educação, saúde, nutrição, registo de nascimento, apoio psico-social, entre outros.

Estima-se que cerca de 400,000 crianças tornaram-se órfãs devido ao SIDA em Moçambique, um número que está a crescer de forma alarmante.

A mobilização das comunidades para apoiarem as crianças órfãs e vulneráveis e para  providenciarem serviços essencias, faz parte do apoio prestado pelo UNICEF e parceiros ao Governo de Moçambique para a implementação do Plano de Acção para Crianças Órfãs e Vulneráveis. O Plano visa alcançar cerca de 1.3 milhões de crianças órfãs e vulneráveis com serviços sociais básicos.

 

 
Search:

 Email this article

unite for children