Imprensa

Centro de imprensa

Notícias

Comunicados de imprensa

Discursos oficiais

Vídeos

Fotografias

Rede de jornalistas amigos da criança

Dia Internacional da Criança na Rádio e Televisão

Calendário de eventos

Informação prática

Contacte-nos

Galeria de fotos

 

Escolas Amigas da Criança beneficiarão cerca de 300.000 crianças

© UNICEF Moçambique/ Thierry Delvigne-Jean
Uma escola amiga da criança assegura que todos os rapazes e raparigas têm acesso à escola, particularmente os mais vulneráveis.

Maputo, 11 de Outubro de 2007- Cerca de 300 mil crianças em Moçambique irão beneficiar de melhor educação e ambiente escolar, como resultado do programa Escolas Amigas da Criança. O programa foi iniciado em 2006 no distrito da Maganja da Costa, província da Zambézia, e será implementado nos próximos três anos em todas as escolas primárias de sete distritos modelos.

A abordagem Escolas Amigas da Criança tem por objectivo melhorar a qualidade da educação nas escolas primárias, com foco nas raparigas e crianças vulneráveis, através da implementação de um pacote de intervenções que vão da reabilitação de salas de aulas destruidas, construção de infraestruturas de água e saneamento para rapazes e raparigas, até ao controle médico e educação em habilidades para a vida, entre outras intervenções cruciais.

O programa responde aos crescentes desafios que Moçambique enfrenta para providenciar educação básica de qualidade para todas as crianças. Apesar do considerável progresso alcançado no acesso das crianças às escolas primárias – que cresceu de 1.7 milhões em 1997 para cerca de 3.8 milhões em 2006 – um grande número de crianças continua sem acesso à educação devido à pobreza crónica e à vulnerabilidade, com significativas disparidades de género e a nível geográfico.

Nas zonas rurais, muitas escolas não estão equipadas com adequadas infraestruturas que as tornem amigas da criança. Cerca de 70 por cento das escolas não têm saneamento adequado e mais de metade das crianças estuda em salas de aulas inapropriadas. A qualidade de educação oferecida num grande número de escolas é também relativamente pobre – metade dos professores das escolas primárias do primeiro grau não tem formação em ensino.

O impacto do HIV e SIDA trouxe adicionais responsabilidades para as escolas. Elas têm cada vez mais de assumir funções que eram tradicionalmente desempenhadas pelas famílias em relação à educação e cuidados da criança. Para além de serem centros de aprendizagem, as escolas têm agora de oferecer apoio psico-social, habilidades para a vida e educação em saúde. As escolas têm também de providenciar cuidados e apoio à crianças que perderam os seus pais ou foram tornadas vulneráveis devido à pobreza, HIV e SIDA e outras circunstâncias difíceis.

© UNICEF Moçambique/ Thierry Delvigne-Jean
Uma escola amiga da criança providencia um leque de serviços de saúde que inclue imunização, controle médico e encaminhamento para unidades de saúde. Na Escola Primária Pazuzu, as crianças estão a ser vacinadas contra o Tétano.

O impacto do HIV e SIDA trouxe adicionais responsabilidades para as escolas. Elas têm cada vez mais de assumir funções que eram tradicionalmente desempenhadas pelas famílias em relação à educação e cuidados da criança. Para além de serem centros de aprendizagem, as escolas têm agora de oferecer apoio psico-social, habilidades para a vida e educação em saúde. As escolas têm também de providenciar cuidados e apoio à crianças que perderam os seus pais ou foram tornadas vulneráveis devido à pobreza, HIV e SIDA e outras circunstâncias difíceis.
 
Em resposta a estas necessidades, o modelo Escolas Amigas da Criança está a providenciar um leque de intervenções em várias áreas fundamentais:

  • Educação: provisão de formação para professores e directores de escolas em métodos de ensino amigos da criança; provisão de materiais de ensino e aprendizagem, incluindo carteiras, reabilitação de salas de aula bem como sessões extra-curriculares sobre prevenção do HIV e habilidades para a vida, providenciadas por activistas locais.
  • Saúde: implementação de um pacote de saúde escolar que inclui imunização, controle médico e encaminhamento para unidades de saúde por trabalhadores de saúde treinados; formação e orientação de professores e de activistas comunitários em educação em saúde escolar para a promoção de boas práticas de saúde nas escolas.
  • Água e saneamento: provisão de água potável e instalações sanitárias separadas para rapazes e raparigas em todas as escolas, educação para a higiene e clubes de saneamento de criança para criança.
  • Protecção: identificação de crianças órfãs e vulneráveis, para o seu encaminhamento para os serviços sociais básicos; formação de professores em apoio psico-social; e apoio aos trabalhadores sociais baseados na comunidade para alcancarem as crianças que estão fora das escolas.
  • Mobilisação social: desenvolvimento de actividades de comunicação para a promoção da educação, particularmente das raparigas, através das rádios comunitárias, unidades móveis e grupos de teatro.

Um ano após a introdução do modelo Escolas Amigas da Criança no distrito da Maganja da Costa, avaliações preliminares monstram um aumento de 20 por cento nas matrículas naquele distrito. As autoridades distritais do sector da educação e professores atribuem estes resultados à provisão de materiais de educação aos alunos, aos esforços de mobilização social, ao recrutamento e formação de novos professores – particularmente mulheres – e provisão de vestuário e material escolar às crianças órfãs e vulneráveis.

As lições aprendidas nos sete distritos modelo irão subsidiar estratégias nacionais de educação para acelerar o progresso em direcção aos Objectivo de Desenvolvimento do Milénio relacionado com o acesso universal à educação primária, com ênfase nas crianças mais excluidas.

 

 
Search:

 Email this article

unite for children