Media centre

Media home

Newsline

Press releases

Statements

Information for journalist

Calendar of events

Media contacts

Photo essays

RSS Feeds

 

Primeira fábrica de Alimento Terapêutico Pronto para Uso em Moçambique lançada na cidade da Beira

© UNICEF Moçambique/Emidio Machiana
Alimento Terapêutico Pronto para Uso (ATPU) produzido numa fábrica lançada na cidade da Beira, como parte da parceria entre o Ministério da Saúde, a empresa Joint Aid Management e o UNICEF.

Moçambique, Abril de 2010 - A primeira fábrica de Alimento Terapêutico Pronto para Uso (ATPU) em Moçambique será lançada na cidade da Beira no dia 5 de Abril pelo Ministro da Saúde, Professor Dr. Paulo Ivo Garrido, num esforço que visa intensificar as intervenções integradas de nutrição em todo o país, mais especificamente o tratamento ambulatório da desnutrição aguda grave.

Esta inauguração resulta de uma parceria entre o Ministério da Saúde, a Joint Aid Management (JAM) e o UNICEF. A fábrica baseada na cidade da Beira é uma franquia da empresa francesa Nutriset, detentora da patente do ATPU chamado Plumpy'nut.

"A inauguração desta fábrica é um exemplo concreto do que o sector privado e público podem alcançar quando trabalham juntos", disse a Representante do UNICEF, Leila Pakkala.

O ATPU é uma pasta baseada em amendoim, que contém uma mistura de leite em pó, óleo, açúcar, vitaminas e minerais em proporções adequadas para o tratamento de uma criança desnutrida.

Cerca de quatro por cento das crianças menores de cinco anos em Moçambique sofrem de desnutrição aguda, e entre estes um pouco mais de um por cento sofre de desnutrição aguda grave.

O tratamento tradicional da desnutrição aguda grave é baseado no tratamento hospitalar com medicamentos essenciais e leites terapêuticos específicos (designados F-75 e F-100), que podem implicar internamento da criança por cerca de três a quatro semanas, com a presença da mãe. O ATPU, no entanto, permite o tratamento em casa das crianças com mais de seis meses de idade, que não tenham outras complicações requerendo cuidados hospitalares.

O ATPU não requer nenhuma preparação ou supervisão especial, de forma que um adulto não treinado para o efeito - como um pai ou uma mãe - pode dá-lo a uma criança desnutrida em casa e levá-la ao ambulatório para observação, permitindo que os governos reduzam os gastos em alimentação terapêutica nos hospitais e centros de saúde.

A fábrica da Beira é capaz de produzir 500 mil toneladas de ATPU por ano, o suficiente para tratar cerca de 35.000 crianças desnutridas.

Os seguintes países também produzem o ATPU a nível local: República Democrática do Congo, República Dominicana, Etiópia, Índia, Madagáscar, Malawi, Níger e Tanzania.

 

 
Search:

 Email this article

unite for children