Media centre

Media home

Newsline

Press releases

Statements

Information for journalist

Calendar of events

Media contacts

Photo essays

RSS Feeds

 

Campanha Nacional de Saneamento do Meio e da Promoção de Higiene

Simples mudanças de comportamento podem melhorar significativamente a qualidade de vida das pessoas

Maputo, 28 de Fevereiro de 2008 – Uma iniciativa do Governo de Moçambique visando melhorar as condições de higiene individual e colectiva e as condições de saneamento do meio no País será lançada no dia 1 de Março, simultaneamente em todas as províncias do país, antecedido de uma exortação à Nação por Sua Excelência o Senhor Presidente no dia 29 de Fevereiro. A cerimónia central, liderada pela Primeira Ministra, terá lugar na Província do Niassa. Em Maputo Cidade o lançamento da campanha será na Escola Primária Unidade 30, no Bairro 25 de Junho, e na Província de Maputo na EPC Ngungunhana, Matola A, ambos as 7:00 da manhã.

A Campanha Nacional de Saneamento do Meio e da Promoção de Higiene tem como objectivo contribuir para a mudança do comportamento dos cidadãos relativo a quatro simples hábitos de higiene: uso correcto da latrina, lavagem das mãos com água limpa e sabão, consumo de água limpa e tratada e deposição adequada do lixo.

Nos últimos anos  Moçambique  tem sofrido uma enorme degradação do meio ambiente, particularmente nas áreas urbanas, motivada por um rápido e crescente número de pessoas que vivem nas cidades de forma desorganizada. As pessoas ocupam espaços inapropriados para a construção das suas habitações, contribuindo desta forma para a degradação dos sistemas de saneamento, para um inadequado fornecimento de água  potável e para uma deficiente gestão do lixo.

A reversão da situação actual do saneamento do meio constitui um grande desafio. O seu sucesso passa pela adopção de abordagens que promovam a mudança de comportamentos e que tomem em consideração os aspectos sócio-culturais e económicos das comunidades.

Esta campanha coincide com o estabelecimento do ano 2008 como o Ano Internacional do Saneamento e constitui parte do cometimento do Governo de Moçambique em enfatizar a necessidade de acção urgente para acelerar o progresso em relação ao Objectivo de Desenvolvimento do Milénio de reduzir para metade, até 2015, a proporção das pessoas vivendo sem acesso à saneamento adequado.

O envolvimento e a participação de todos os cidadãos na implementação de acções concretas de promoção de higiene e saneamento é fundamental para a redução da mortalidade e morbilidade, e consequentemente para a melhoria da qualidade de vida do povo.

O Governo apela a participação nesta campanha de toda a sociedade, incluindo o sector público e privado, as ONGs, associações baseadas na comunidade, líderes políticos, religiosos e estudantes.

A comunidade escolar em todos os pontos do país terá um importante papel na disseminação das boas práticas de higiene e saneamento, para que esta campanha traga mudanças positivas não só no ambiente escolar, mas também nas comunidades em geral.
.
Expandir o saneamento em Moçambique: os desafios

Em Moçambique, o deficiente saneamento do meio, as condições precárias de higiene e o acesso limitado à água em quantidade e qualidade são os principais determinantes para o aparecimento de doenças como diarreias, cólera, parasitoses intestinais e vesicais, a malária e as doenças da pele, que muitas vidas têm custado à população do País, principalmente de mulheres grávidas e crianças menores de cinco anos de idade.

Simples mudanças de comportamento em relação ao saneamento do meio e higiene pessoal e colectiva têm um grande impacto na saúde e bem estar da população.

Apesar de se ter feito um progresso considerável ao longo dos últimos anos, o saneamento continua a ser uma das áreas mais subdesenvolvidas de Moçambique.

Cerca de 45 por cento da população têm acesso ao saneamento adequado. Calcula-se que a cobertura nacional do saneamento seja de 39 por cento nas zonas rurais e 47 por cento nas zonas urbanas. Os ODM para o saneamento rural é atingir-se 50 por cento servindo 8.4 milhões de pessoas e para as zonas urbanas é de 80 por cento servindo 6.1 milhões.

Resultados esperados

A campanha será implementada em quatro fases, enfatizando comportamentos desejados, ao longo de todo o ano:

  • LATRINA: promover o aumento do acesso das famílias às latrinas, o seu uso e manutenção adequada.
  • HIGIENE: promover o hábito de lavar as mãos com água e sabão ou cinza depois de usar a latrina/sanitário, antes e depois de mudar as fraldas, antes de confeccionar, conservar e comercializar os alimentos e antes e depois das refeições.
  • ÁGUA: promover o consumo de água potável, o tratamento e armazenamento adequado da água a nível da família.
  • LIXO: desenvolver o hábito de depositar o lixo em locais apropriados (contentores, aterros sanitários entre outros).

De Março a Dezembro de 2008, o 3º sábado de cada mês, será dedicado, em todo o País, a actividades relativas a promoção de higiene e saneamento do meio. Ao nível municipal realizar-se-ão acções de promoção de higiene e de saneamento do meio na data de comemoração de aniversário de seu município.

Haverá também centros de demonstração para construção de latrinas melhoradas, sobretudo nas zonas rurais, disseminando informação e conhecimento para as pessoas sobre como construir adequadamente uma latrina e onde encontrar os materiais adequados.

Em Moçambique, o Ministério das Obras Públicas e Habitação, o Ministério da Saúde e o Ministério da Educação e Cultura e todo o Governo trabalham para aumentar a cobertura de saneamento, melhorar a prestação de serviços e reduzir a incidência de doenças de origem hídrica, tais como a cólera e diarreia.

Os parceiros de cooperação, incluindo as Nações Unidas, fornecem apoio técnico e financeiro para melhorar o acesso ao saneamento adequado incluindo a planificação, implementação, monitoria e avaliação efectivas dos programas de saneamento e estabelecimento de parcerias para desenvolver tecnologias de saneamento inovadoras. Os membros da comunidade são igualmente integrados na implementação dos programas particularmente na auto-construção das latrinas familiares e nas actividades de promoção de higiene.

Para mais informação, queira contactar:

Ana Charles, Ministério da Saúde: (cel 82 689 3755) email: a_charlita042000@yahoo.com.au

Arménia Mucavele, Ministério da Saúde:(cel 82 452 1190) email:armeniamucas@yahoo.com.br

Rufina Macie, Ministério da Educação: (cel 828358070) email: rufina@mec.gov.mz

Miguel Matine, Ministério da Coordenação da Acção Ambiental:( cel 823987493) email: mig_128@yahoo.com.br

Rogério Batine, Ministério de Obras Públicas e Habitação (Cel 828316990): rbatine@dnagua.gov.mz

Glória Chonguiça, OMS Maputo: (cel 82.3131480) email: Moreirag@mz.afro.who.int

Patrícia Portela de Souza, UNICEF Maputo:(cel 82-312 1790) email: ppsouza@unicef.org

Emídio Machiana, UNICEF Maputo: (cel 82-030 5100) email: emachiana@unicef.org

 

 
Search:

 Email this article

unite for children