Onde atuamos

Onde atuamos no Brasil

Grandes centros urbanos

Amazônia

Semiárido

Selo UNICEF Município Aprovado

 

Jovem acredita que pode fazer a diferença não só na sua comunidade, mas na cidade e no País como um todo

© UNICEF/BRZ/Camila Diniz
Alisson Rodrigues Cordeiro, 18 anos, é um importante articulador da Plataforma dos Centros Urbanos em São Paulo.

Alisson Rodrigues Cordeiro, de 18 anos, encara as escolas como muito mais que simples espaços em que aprende as matérias do currículo formal e faz amigos. Elas são grandes parceiras nas ações pela melhoria das condições de vida de sua comunidade, o Itaim Paulista, na Zona Leste de São Paulo.

Como Adolescente Comunicador da Plataforma dos Centros Urbanos desde os 16 anos, Alisson aprendeu a usar as ferramentas de comunicação para se expressar melhor e ajudar outros meninos e meninas a fazer o mesmo. Com outros amigos e a orientação dos educadores da Viração, ele promoveu, por exemplo, oficinas de revistas em quadrinhos em salas de aula, aproveitando para discutir questões como racismo e sexualidade.

Ao mesmo tempo em que ensina, também aprende com atividades como essa. A primeira lição – e talvez a mais importante – foi sobre sua própria vida e o seu papel na comunidade. Antes de ingressar na Plataforma, achava que não valeria a pena participar, por tanto tempo, de uma iniciativa pelos direitos das crianças e dos adolescentes de uma comunidade da qual não se sentia parte. Hoje, acredita que pode fazer a diferença não só na sua comunidade, mas na cidade e no País como um todo.

Em 2011, Alisson foi um dos adolescentes que realizaram a Consulta às Crianças e aos Adolescentes prevista na metodologia da Plataforma dos Centros Urbanos. A pesquisa permitiu que a comunidade conhecesse melhor os avanços alcançados na garantia dos direitos da infância e adolescência, a partir da opinião dos próprios meninos e meninas.

Nesse ano ele participou, ainda, da Conferência Municipal de Juventude e de outros espaços de participação política em São Paulo e em outros Estados. Neles pôde apresentar um pouco das necessidades e propostas para melhorar as condições de vida de meninas e meninos nas comunidades dos centros urbanos, ao mesmo tempo em que aprendia mais sobre a realidade em outras partes do Brasil e em outros países.

© UNICEF/BRZ/Camila Diniz
Alisson e outros adolescentes e jovens de São Paulo estão fazendo a diferença em suas comunidades.

Alisson Cordeiro também aproveitou a articulação que o UNICEF fez com a Secretaria Estadual de Justiça e passou a ajudar na gestão deste espaço, que tem como objetivo facilitar acesso à Justiça, por intermédio de serviços públicos de qualidade para a população, e incentivar à cidadania comunitária.

Para fazer tudo isso, teve de enfrentar a resistência da família, que não concordava com sua participação na iniciativa. “Tive de fazer um esforço enorme para adquirir conhecimento e quebrar o tabu de que adolescentes não fazem nada pela comunidade”, conta Alisson. Para isso, sempre contou com o apoio dos amigos educomunicadores e, mais recentemente, do namorado.

Apesar da pouca idade, Alisson acabou se revelando uma importante liderança no Grupo Articulador Itaim Paulista. “O que dá forças é que todos nós corremos pelos mesmos objetivos e juntos podemos dar as mãos pelo mesmo bem, o bem da nossa comunidade”, diz.

Hoje, Alisson administra o tempo entre a militância e o recém-conquistado primeiro emprego, mas não desanima. “Eu sei que posso fazer a diferença”, sempre diz.

 

 

 

 

Garantindo os direitos de meninas e meninos nas cidades brasileiras


unite for children