Como colaborar

Colabore com o UNICEF

Como são financiados nossos programas

Faça uma doação

Abordagem Face a Face

Heranças e legados

Compre um cartão

Mais formas de ajudar

Motivos para contribuir

O UNICEF e o engajamento empresarial

Como ser parceiro

Cinco motivos para ser um parceiro

Quero ser um parceiro

UNI – As notícias do UNICEF para todos

Emergência nas Filipinas

 

NA SUA ROTINA DIÁRIA

© UNICEF/BRZ/Alcantara

Você pode conscientizar as pessoas sobre a importância do respeito aos direitos de crianças e adolescentes praticando e divulgando as 12 dicas abaixo e/ou participando de campanhas nacionais de mobilização.

Adote essa causa na sua rotina diária. Junte-se ao time do UNICEF!

1 – A gravidez
Todas as gestantes devem fazer pelo menos seis consultas pré-natais: isso é fundamental para a saúde da mãe e do bebê. Todas têm o direito de fazer o pré-natal na rede pública de saúde. É importante medir a pressão, vacinar contra o tétano neonatal, fazer exame de aids, de sífilis e de diabetes, receber orientação sobre o parto e o aleitamento materno.

2 – Aleitamento materno
Até o sexto mês de vida, a criança só precisa do leite da mãe. Ou seja, nesse período, não precisa de água, chazinho ou qualquer outro alimento. O leite materno é um alimento completo que protege a criança de doenças como as diarreias e as doenças respiratórias. Além disso, o momento do aleitamento é especial porque aproxima a mãe do bebê.

3 – O pai
O pai pode e deve ajudar em todas as tarefas com a criança pequena. Por isso, é muito importante que o pai participe do desenvolvimento da criança, dê banho, prepare e dê a comida, leve ao médico, brinque.

4 – Estímulos saudáveis
Pais e mães podem conversar e cantar para a criança desde a gestação. Esses estímulos são importantes. Depois que a criança nasce, já nos primeiros dias, mães e pais podem cantar e ler, com voz suave para o bebê. A criança gosta de ouvir histórias e gosta de ser ouvida. Converse com sua(seu) filha(o). Pode ser muito divertido e prazeroso.

5 – Deficiências
A criança com deficiência tem direito a atendimento especializado para que desenvolva todo o seu potencial. Ela é capaz de aprender e precisa ser estimulada. Para isso, deve frequentar as mesmas creches, pré-escolas e espaços comunitários das outras crianças. E todas devem ser incentivadas a brincar juntas.

6 – Educação Infantil
Todas as crianças devem ser estimuladas a aprender coisas novas todos os dias, a conviver com outras crianças, brincar bastante, descobrir cores, sons, formatos e aprender a se expressar. Isso pode ser feito dentro da própria família e da comunidade ou em centros de educação infantil, como creches, pré-escolas, brinquedotecas comunitárias.

7 – Brincar e descansar
As crianças são levadas. Uma criança sadia é ativa, gosta de correr, pular, conversar brincar com números, inventar histórias. É assim que ela cresce e aprende. E, quando ela está cansada, pode ficar chatinha. Os adultos precisam ser pacientes e entender o ritmo das crianças. Descansar à tarde, por exemplo, pode deixar a criança mais tranquila.

8 – Educação sem violência
Se a criança errou, o adulto deve se acalmar primeiro antes de repreendê-la. A criança precisa e deve ser orientada, mas com calma e respeito. Se você castiga a criança fisicamente, ela vai aprender que a violência é um meio de se resolver problemas. E não é. Procure ser paciente com seus filhos. A criança vai retribuir com atenção e carinho.

9 – Cuidados com a higiene pessoal
Desde muito pequena, a criança pode começar a aprender hábitos de higiene pessoal: lavar as mãos, tomar banho, escovar os dentes. Também pode começar a reconhecer o próprio corpo. Os pais podem estimulá-la por meio de brincadeiras simples, como dizer para a criança os nomes das partes do corpo.

10 – Meninas e meninos
Meninas e meninos devem ter as mesmas oportunidades para desenvolver todas as suas potencialidades em casa e na escola. Precisam conviver juntos, respeitando uns aos outros. As diferenças entre eles não podem implicar privilégios ou atitudes diferenciadas por parte de pais ou de professores. Na hora da brincadeira, não há jogo certo ou errado para menina ou menino. Crianças são curiosas e gostam de brincar.

11 – Conhecer sua rua e seu bairro
Os pais podem ajudar a criança a conviver com sua comunidade desde pequena. Por isso, é importante levar a criança para passear e conhecer a rua e o bairro onde vive. Quando sair com seus filhos pequenos, mostre a eles a pracinha, o parque, a escola. Deixem que conheçam as pessoas e que elas os conheçam. A convivência comunitária é um direito de toda criança.

12 – Oportunidade de escolha
A criança pode e deve ser estimulada a exercer sua liberdade de escolha e tomar suas próprias decisões. Ao transmitir uma mensagem de confiança, pais e professores estimulam a autoconfiança e o senso crítico da criança. Dessa forma, contribuem para que ela seja um adulto mais preparado para exercer plenamente sua cidadania.

 

 

 

 

Chegou a sua vez de ajudar!


unite for children