Imprensa

Notícias

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias sobre o Haiti

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Concurso Adobe Youth Voices Aspire Awards UNICEF Challenge

Concurso infanto-juvenil de vídeos de um minuto

Materiais para radialistas

Dia Internacional da Criança no Rádio e na TV

Discursos do Representante do UNICEF no Brasil

Artigos

Outros discursos

Expresso 227

Contatos

 

Governo do Brasil doará US$ 300 mil para ajuda humanitária na Síria

Recursos serão repassados ao UNICEF e Acnur para ser usados no atendimento às crianças deslocadas pelo conflito, que já dura três anos

 

Brasília, 16 de janeiro de 2014 – O governo brasileiro anunciou na última quarta-feira (15/1) uma contribuição de US$ 300 mil para apoiar programas de educação e proteção que contribuam para tirar mais de um milhão de crianças sírias da miséria, do isolamento e das situações traumáticas. O Brasil vai repassar os recursos para o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e a Agência da ONU para Refugiados (Acnur) para apoiar a estratégia "Nenhuma Geração Perdida", que tem como objetivo proporcionar às crianças afetadas pelo conflito a possibilidade de um futuro mais estável e seguro.

"À medida que o conflito se aproxima de outro amargo aniversário, não podemos sentar e assistir ao desaparecimento de toda uma geração", declarou Anthony Lake, diretor executivo do UNICEF. "Agora é a hora dos defensores das crianças da Síria, agora é a hora de o mundo dar um passo para frente e proporcionar a essas crianças uma nova esperança e confiança para o seu futuro".

"Se falharmos com estas crianças agora, toda a região perderá uma geração de potenciais líderes, professores, engenheiros, médicos e – acima de tudo – promotores da paz, dos quais depende a esperança de uma sociedade estável, saudável e próspera", acrescentou Lake.

Há quase três anos, as crianças sírias têm sido as mais vulneráveis de todas as vítimas do conflito naquele país, assistindo à morte de familiares e amigos, à destruição de suas escolas e ao desgaste de suas esperanças. Muitas delas têm sido profundamente afetadas tanto física quanto psicologicamente, ou de ambas as formas. Essas crianças estão também vulneráveis às piores formas de exploração, incluindo o trabalho infantil, o recrutamento para forças e grupos armados, o casamento precoce e outras formas de violência baseadas em gênero.

Entre os refugiados da Síria, mais de um milhão são crianças, e, destas, mais de 425 mil têm menos de 5 anos. A grande maioria desses refugiados fugiu para o Líbano, a Jordânia, a Turquia, o Egito e o Iraque. Entre eles, cerca de 8 mil crianças foram identificadas como estando separadas de suas famílias. A situação dos mais de 3 milhões de crianças deslocadas no interior da Síria é ainda mais grave.

UNICEF, Acnur, Save the Children, Visão Mundial e organizações parceiras na região pretendem arrecadar e canalizar US$ 1 bilhão para programas que, em colaboração com os governos e comunidades locais, proporcionem educação sem riscos, proteção contra a exploração, abusos e violência, cuidados e apoio psicológicos, e também mais oportunidades para a promoção da coesão e estabilidade social numa região bastante volátil. Esses programas incluem o reforço dos sistemas nacionais e comunitários de proteção infantil.

Desde o início da crise no país, em 2011, o UNICEF tem intensificado a sua resposta dentro da Síria e nos países onde o povo sírio procura refúgio. Em 2013, o UNICEF forneceu água potável para mais de 10 milhões de pessoas; vacinou mais de 5 milhões de crianças contra o sarampo, caxumba e rubéola; matriculou mais de 570 mil crianças em escolas e aulas de reforço; e providenciou apoio psicossocial para 870 mil crianças. O UNICEF e seus parceiros estão envolvidos na maior campanha contra a poliomielite já organizada no Oriente Médio, para vacinar 23 milhões de crianças contra a doença.

"As crianças da Síria têm suportado diariamente horrores inimagináveis, e os seus sonhos para o futuro correm o risco de desmoronar", afirmou Anthony Lake. "Impedir a perda desta geração requer mais apoio, maiores e mais audaciosos compromissos e uma solidariedade renovada para evitar a continuidade de um ciclo de violência, ódio e intolerância numa região que tem sofrido demais".

Mais informações
Assessoria de Comunicação do UNICEF no Brasil
Alexandre Magno Amorim
E-mail: aamorim@unicef.org
Telefone: (55 61) 3035 1947

Estela Caparelli
E-mail: mecaparelli@unicef.org
Telefone: (55 61) 3035 1963

Letícia Sobreira
E-mail: lsobreira@unicef.org
Telefone: (55 61) 3035 1917

Assessoria de Imprensa do escritório regional do UNICEF para o Oriente Médio e Norte da África
Juliette Touma
E-mail: jtouma@unicef.org
Telefone: +962 79 867 4628

Assessoria de Imprensa da sede do UNICEF em Nova Iorque
Kate Donovan
E-mail: kdonovan@unicef.org
Telefone: + 1 212 326 7452

 

 
unite for children