Imprensa

Notícias

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias sobre o Haiti

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Concurso Adobe Youth Voices Aspire Awards UNICEF Challenge

Concurso infanto-juvenil de vídeos de um minuto

Materiais para radialistas

Dia Internacional da Criança no Rádio e na TV

Discursos do Representante do UNICEF no Brasil

Artigos

Outros discursos

Expresso 227

Contatos

 

ACNUR e UNICEF assinam acordo para proteger crianças refugiadas e apátridas no Brasil

© UNICEF/BRZ/Alexandre Magno de A. Amorim
A chefe do programa de Proteção do UNICEF no Brasil, Casimira Benge, destaca os principais pontos do memorando assinado pelas duas agências, sendo observada pelo representante do UNICEF Gary Stahl e pelo representante do ACNUR Andrés Ramirez.

Brasília, 20 de novembro de 2013 – O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) no Brasil assinaram nesta terça-feira (19/11) um Memorando de Entendimento para fortalecer a proteção de crianças refugiadas e aquelas em situação de apatridia que vivem no País.

O acordo prevê a atuação conjunta das agências na articulação de ações que garantam os direitos de crianças e adolescentes solicitantes de refúgio e refugiados, em especial aqueles que chegam ao Brasil separados ou desacompanhados de suas famílias.

Outro ponto do memorando é facilitar o acesso a registros de nascimentos, principalmente para crianças que vivem nas fronteiras do País e em comunidades indígenas. Sem o registro, muitas delas ficam em situação de apatridia – sem nacionalidade reconhecida por nenhum país –, o que impossibilita seu acesso a políticas públicas de educação e saúde, por exemplo.

As duas agências têm uma cooperação histórica, especialmente em situações de emergência e nas mais importantes operações humanitárias em curso. "A parceria que assinamos hoje está no marco dos acordos globais entre ACNUR e UNICEF e visa buscar ações concretas para a proteção destas crianças", disse o representante do ACNUR no Brasil, Andrés Ramirez. Para ele, o expressivo aumento das solicitações de refúgio verificado nos últimos anos torna o tema de proteção às crianças ainda mais importante.

Para o representante do UNICEF no Brasil, Gary Stahl, com o destaque do Brasil no cenário internacional e o aumento da população refugiada no País, "é urgente melhorar os mecanismos de apoio a crianças em situação de vulnerabilidade em virtude de seu deslocamento forçado".

O documento propõe um plano de trabalho até 2015 com ações de advocacy e apoio técnico em projetos de interesse mútuo, como campanhas pelo registro de nascimento universal, prevenção e redução de casos de apatridia, assim como o fortalecimento de mecanismos de proteção já existentes.

Entre as atividades de proteção para crianças e adolescentes solicitantes de refúgio e refugiados estão a organização de capacitação e sensibilização de autoridades judiciárias e o apoio para a elaboração de procedimentos de acolhida de crianças e adolescentes desacompanhados de suas famílias.

Já para prevenir e combater a apatridia, a proposta é organizar missões conjuntas para os locais de fronteira da Região Norte do País com o objetivo de verificar a existência de meninas e meninos sem registro de nascimento, especialmente em comunidades indígenas.

Segundo os dados mais recentes do governo brasileiro, o País abriga cerca de 4.500 estrangeiros reconhecidos como refugiados pelo Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), vinculado ao Ministério da Justiça. As estatísticas mostram o aumento das solicitações de refúgio no País: entre 2010 e 2012, o número total de pedidos de refúgio feito a cada ano mais que triplicou (de 566 em 2010 para 2.008 no ano passado). Neste ano, o País já recebeu cerca de 3.500 novas solicitações de refúgio. No que se refere às crianças, em 2012 o Brasil recebeu 148 solicitações de refúgio, 14 delas de meninos e meninas desacompanhados. Até junho deste ano, foram 56 solicitações de refúgio de crianças e adolescentes, sendo quatro crianças separadas de suas famílias.

Mais informações
Assessoria de Comunicação do UNICEF
Alexandre Amorim
Telefone: (61) 3035 1947
E-mail: aamorim@unicef.org
Estela Caparelli
Telefone: (61) 3035 1963
E-mail: mecaparelli@unicef.org

Assessoria de Comunicação ACNUR Brasil
Telefone: (61) 3044 5744
E-mail: informacao@unhcr.org

 

 

 
unite for children