Imprensa

Notícias

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias sobre o Haiti

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Concurso Adobe Youth Voices Aspire Awards UNICEF Challenge

Concurso infanto-juvenil de vídeos de um minuto

Materiais para radialistas

Dia Internacional da Criança no Rádio e na TV

Discursos do Representante do UNICEF no Brasil

Artigos

Outros discursos

Expresso 227

Contatos

 

UNICEF promove participação de adolescentes e jovens no Fórum Nacional de Saúde Mental Infantojuvenil

© Isadora Souza/Ministério da Saúde

Brasília, 14 de novembro de 2012 – Como resultado da parceria entre o programa de Cidadania dos Adolescentes do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) no Brasil e a área de Saúde Mental do Ministério da Saúde, o UNICEF promoveu a participação de 15 adolescentes e jovens do Semiárido, da Amazônia, da reserva indígena de Dourados (MS) e de comunidades populares de São Paulo, Rio de Janeiro e do Distrito Federal na IX Reunião do Fórum Nacional de Saúde Mental Infantojuvenil (confira a lista de participantes). O tema do encontro foi “Desafios para o campo da infância e juventude no âmbito da Rede de Atenção Psicossocial”.

Um dia antes do evento, técnicos do UNICEF e do Ministério da Saúde encontraram-se com os adolescentes para uma tarde de trabalho sobre o tema do encontro. Essa reunião foi fundamental para compartilhar conhecimentos e promover a integração do grupo, formado por adolescentes de realidades tão distintas como as comunidades indígenas, os centros urbanos, o interior do Ceará e Paraíba, entre outras localidades.

O encontro foi realizado na Universidade de Brasília nos dias 12 e 13 de novembro de 2012 e contou com a participação de aproximadamente 150 profissionais de Saúde, Direitos Humanos e Justiça de todo o País. Esta foi a primeira vez que o fórum abriu espaço para que adolescentes tivessem uma representação e participação significativa. A versão anterior do Fórum, que aconteceu em 2009, contou com apenas dois adolescentes.

Desta vez, os adolescentes puderam participar ativamente do debate sobre a política nacional de saúde mental, discutindo temas relacionados ao uso de álcool e outras drogas, alternativas à internação compulsória, qualidade do atendimento prestado pela Rede de Atenção Psicossocial, entre outros. Eles participaram na mesa de abertura e de encerramento, das plenárias e dos grupos de trabalhos, atuando como ouvintes, debatedores e relatores das sessões. Eles sugeriram que no próximo fórum a comissão organizadora conte com a presença de adolescentes como parte do processo de planejamento.

Durante o Fórum, os adolescentes enfatizaram a importância de ampliar o diálogo com os profissionais que atuam na área de saúde mental e se colocaram à disposição para trabalhar questões ligadas a essa área por meio de projetos de educação entre pares. Os adolescentes também defenderam que a política de saúde mental do Brasil leve em consideração as condições de vulnerabilidade vivenciadas por grupos específicos como os adolescentes em situação de rua e as comunidades indígenas.

Nos grupos de trabalho, os adolescentes fizeram várias recomendações que foram integradas ao documento final do Fórum. Por exemplo, a importância de envolver as escolas e o setor da educação no debate sobre saúde mental; a necessidade de adequar os próximos fóruns e também os serviços da Rede de Atenção Psicossocial às demandas específicas e à linguagem dos adolescentes; que o esporte não seja utilizado pelos serviços como um meio "pra tirar os adolescentes das drogas" mas sim como um direito de todas as crianças e adolescentes; e a necessidade de estruturar redes locais de atenção psicossocial que contemplem especificidades das comunidades indígenas nas áreas onde vivem, levando em consideração os diversos fatores relacionados ao uso e abuso de drogas, o suicídio de adolescentes e jovens, entre outros.

Para o UNICEF, essa foi uma oportunidade de reforçar seu papel institucional como interlocutor do governo brasileiro para discutir as políticas públicas voltadas para adolescentes sob o seu ponto de vista. Os técnicos da área de Saúde Mental do Ministério da Saúde agradeceram o apoio do UNICEF e garantiram que a parceria segue fortalecida para que o processo de escuta e participação dos adolescentes seja ampliado. Os adolescentes também avaliaram positivamente a iniciativa. Embora tenham sentido dificuldade de acompanhar determinados debates, tendo em vista o conhecimento técnico e a formalidade do encontro, eles declararam que esse é um espaço importante para sua própria formação como cidadãos.

Lista de participantes:

  1. Angelina Moçambite, 16 anos (AM)
  2. Caleb Catachunga, 15 anos (AM)
  3. Carlos Eduardo Silva Ferreira, 16 anos (SP)
  4. Cristiany de Lima, 17 anos (DF)
  5. Emilena Arce, 15 anos (MT)
  6. Laisnanda da Silva de Sousa, 16 anos (MA)
  7. Mayara Galdino da Silva, 16 anos (PB)
  8. Nadja Silva da Paz, 16 anos (DF)
  9. Paulo Henrique Alves da Fonseca, 16 anos (DF)
  10. Pedro Mazotte, 20 anos (GO)
  11. Rufimar Modesto, 16 anos (MT)
  12. Suliene Fernandes da Silva, 17 anos (CE)
  13. Thallyssiane Aleixo Macedo, 16 anos (RJ)
  14. Thomas Gutemberg, 17 anos (DF)
  15. Walisson Lopes de Souza, 17 anos (DF)

 

 
unite for children