Imprensa

Notícias

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias sobre o Haiti

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Concurso Adobe Youth Voices Aspire Awards UNICEF Challenge

Concurso infanto-juvenil de vídeos de um minuto

Materiais para radialistas

Dia Internacional da Criança no Rádio e na TV

Discursos do Representante do UNICEF no Brasil

Artigos

Outros discursos

Expresso 227

Contatos

 

Crianças entram em campo pelo direito ao esporte seguro e inclusivo

No primeiro jogo após o lançamento da parceria com o UNICEF, jogadores do Flamengo vestem a camisa com a logomarca da organização e mensagens sobre os direitos das crianças

Rio de Janeiro, 7 de novembro – Luan Vitor Santos Pereira, de 14 anos, exibia orgulhoso as chuteiras novas quando entrou em campo no Estádio do Engenhão, no Rio de Janeiro, de mãos dadas com o jogador Ronaldinho Gaúcho, do Flamengo. Presente de um amigo, ele recebeu os calçados há alguns dias, durante uma festa que a comunidade fez em comemoração à sua vida. As que tinha ganhado da mãe, meses antes, ficaram pequenas antes que tivesse tempo de usar: uma semana depois de receber o presente, foi atingido por um tiro que lhe tirou a visão do olho direito, na Escola Municipal Tasso da Silveira, onde cursava o 8º ano do Ensino Fundamental.

O adolescente não gosta de falar sobre a tragédia na escola, provocada por um jovem de 23 anos no dia 7 de abril de 2011, que matou a tiros 12 crianças, deixou 10 feridas e se suicidou. Diz que não se lembra de nada. Para Luan, o mais importante ainda está por vir: a colocação de uma prótese na testa para repor a parte do osso afetada pelo projétil. Somente assim poderá ter recuperado seu direito à prática do futebol, seu esporte predileto. Sem ela, não pode cabecear a bola ou correr o risco de cair.

Torcedor do time desde pequeno, Luan foi um dos 14 adolescentes e crianças que entraram em campo com os jogadores do Flamengo, no último domingo (6/11), vestindo as camisas azuis do UNICEF, com o slogan “Nosso Time é Nota 10!” no verso, com as bandeiras do UNICEF e do Flamengo. Eles também estavam acompanhados do Diretor Executivo do UNICEF, Anthony Lake; e dos personagens de Mauricio de Sousa Mônica, Embaixadora do UNICEF no Brasil, e Ronaldinho

A partida, em que o Flamengo saiu vitorioso por 5 a 1 contra o Cruzeiro, foi a primeira em que o time exibiu a camisa que leva a logomarca do UNICEF, como símbolo da parceria inovadora entre as duas organizações, pela garantia dos direitos das crianças e dos adolescentes.

Para o jogo de estreia, além de na logomarca no peito, a parceria também foi refletida nas costas dos jogadores. Cada atleta exibiu uma mensagem diferente baseada na Convenção sobre os Direitos da Criança e no Estatuto da Criança e do Adolescente. Ronaldinho Gaúcho, por exemplo, tinha a frase “Infância sem discriminação”. E Thiago Neves marcou três gols usando a camisa com o texto “Infância sem bullying”.

Além disso, os números de cada jogador foram estilizados a partir de desenhos criados por crianças e adolescentes que participam da Plataforma dos Centros Urbanos no Rio de Janeiro, uma iniciativa que ajuda a reduzir iniquidades que afetam a vida de meninos e meninas das grandes cidades, em especial dos que estão nas comunidades populares.

Para chegar aos traços dos números, os profissionais da agência África, de Nizan Guanaes, realizaram uma oficina com meninos e meninas na comunidade do Morro dos Prazeres, no Rio de Janeiro, para que pudessem propor caminhos para refletir em desenhos e pinturas a iniciativa. Com base nessas propostas, os publicitários criaram a arte do verso das camisas do time.

Time nota 10 – A parceria entre o UNICEF e o Flamengo está baseada na adesão do time ao compromisso “Meu Time é Nota 10!”, um conjunto de princípios relacionados à proteção e à promoção de direitos de meninos e meninas, atletas e não atletas, dentro e fora do clube.

“O UNICEF espera que milhões de torcedores do Flamengo – dentro e fora do País – possam se envolver e divulgar mensagens que ajudem a criar um mundo mais igualitário e justo para todas as crianças”, disse o Diretor Executivo do UNICEF, Anthony Lake.

Com a parceria, o Flamengo se compromete a fortalecer suas ações de responsabilidade social e mobilizar seus atletas e 40 milhões de torcedores em favor dos direitos de meninas e meninos brasileiros. Entre as ações, está a adoção de códigos de conduta para dirigentes, jogadores, atletas, técnicos e torcedores. Sanções em caso de descumprimento estão sendo definidas.

O Flamengo e o UNICEF esperam que outros times brasileiros também façam parte da iniciativa. Para Luan, a ideia faz muito sentido. “A gente torce para os caras desde pequeno. Tudo o que eles fazem serve de exemplo para nós também”, explica.


LEIA TAMBÉM

A paixão pelos esportes em favor de crianças e adolescentes.

Meu time é nota 10! – Conheça os 10 compromissos para a promocão e proteção dos direitos de crianças e adolescentes na prática esportiva e saiba mais sobre esta parceria.

Quando todo mundo joga junto, todo mundo ganha!


 

 

 

 

Galeria de fotos

Fotos: © Alexandre Vidal/Fla Imagem e Fábio Caffé/UNICEF

Clique nas imagens para ampliá-las
O Diretor Executivo do UNICEF, a Representante do UNICEF no Brasil, a presidente do Flamengo, acompanhados de crianças, entram em campo no domingo 6 de novembro, antes da partida entre Flamengo e Cruzeiro – Foto: © UNICEF/BRZ/Fábio Caffé

Acompanhados de crianças com a camisa do UNICEF, jogadores do Flamengo entram em campo vestindo a camisa com a marca UNICEF, estampada ao lado do escudo do time – Foto: © Alexandre Vidal/Fla Imagem

Os jogadores entram em campo com crianças de projetos sociais apoiados pelo Flamengo. Algumas dessas crianças receberam o apoio do clube após a tragédia na escola Tasso da Silveira, ocorrida em abril de 2011, quando um jovem matou a tiros 12 crianças e deixou outras 10 feridas – Foto: © Alexandre Vidal/Fla Imagem

A camisa com a marca UNICEF, estampada ao lado do escudo do time, simboliza o compromisso do Flamengo com a causa da infância e adolescência – Foto: © Alexandre Vidal/Fla Imagem

Além da logomarca do UNICEF, as camisas do Flamengo apresentaram no verso mensagens sobre os direitos das crianças e dos adolescentes – Foto: © UNICEF/BRZ/Fábio Caffé

Os mascotes do Flamengo, os personagens de Mauricio de Sousa, crianças e adolescentes com o Diretor Executivo do UNICEF, a Representante do UNICEF no Brasil, a presidente do Flamengo antes do jogo no domingo 6 de novembro – Foto: © UNICEF/BRZ/Fábio Caffé

O Diretor Executivo do UNICEF, Anthony Lake; a presidente do Flamengo, Patricia Amorim; a representante do UNICEF no Brasil, Marie-Pierre Poirier; e os personagens de Mauricio de Sousa R10 e Mônica, que é Embaixadora do UNICEF no Brasil – Foto: © Alexandre Vidal/Fla Imagem

O Diretor Executivo do UNICEF, a Representante do UNICEF no Brasil, Mônica, Embaixadora do UNICEF no Brasil, e R10, personagens de Mauricio de Sousa, com as crianças e os adolescentes que entraram em campo antes do jogo no Engenhão – Foto: © UNICEF/BRZ/Fábio Caffé

O atacante Deivid, autor dos dois primeiros gols do Flamengo na partida contra o Cruzeiro, vestiu a camisa com a frase INFÂNCIA SEM DESIGUALDADE – Foto: © Alexandre Vidal/Fla Imagem

O verso das camisas estampou mensagens sobre direitos baseadas no Estatuto da Criança e do Adolescente. A agência África, do grupo ABC, de Nizan Guanaes, criou os traços dos números das camisas tendo como inspiração desenhos de crianças que participam da Plataforma dos Centros Urbanos, iniciativa do UNICEF – Foto: © Alexandre Vidal/Fla Imagem

A camisa número 7, de Thiago Neves, autor de três dos cinco gols do Flamengo na partida contra o Cruzeiro, estampava a frase INFÂNCIA SEM BULLYING. Na foto, o meia do Flamengo recebe instruções do técnico Vanderlei Luxemburgo – Foto: © Alexandre Vidal/Fla Imagem

A camisa de Ronaldinho Gaúcho estampava a frase INFÂNCIA SEM DISCRIMINAÇÃO. Na foto, o capitão do time comemora, com o atacante Deivid e o meia Thiago Neves, um dos cinco gols do Flamengo – Foto: © Alexandre Vidal/Fla Imagem
unite for children