Imprensa

Notícias

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias sobre o Haiti

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Concurso Adobe Youth Voices Aspire Awards UNICEF Challenge

Concurso infanto-juvenil de vídeos de um minuto

Materiais para radialistas

Dia Internacional da Criança no Rádio e na TV

Discursos do Representante do UNICEF no Brasil

Artigos

Outros discursos

Expresso 227

Contatos

 

Haiti um ano depois: aniversário do terremoto destaca a necessidade de se estabelecer sistemas básicos que beneficiem as crianças

Genebra/Porto Príncipe, 11 de janeiro – Um ano após o devastador terremoto de 12 de janeiro que abalou a sua já frágil vida, os quatro milhões de crianças do Haiti continuam sofrendo desigualdades no que diz respeito ao acesso a serviços básicos de água, saneamento, cuidados de saúde e educação; à proteção contra doenças e exploração; e à falta de condições sanitárias, afirma o UNICEF.


Vídeo disponível somente em inglês

Atualmente, mais de um milhão de pessoas – dos quais aproximadamente 380 mil são crianças – vivem ainda em campos superlotados. Os esforços dos haitianos e da comunidade internacional em relação à ajuda humanitária e de recuperação têm sido extraordinários. Contudo, a agência das Nações Unidas para a infância assinala, no seu relatório "Children in Haiti: One Year After – The long road from relief to recovery" (Crianças no Haiti: Um Ano Depois – A longa caminhada da assistência à recuperação), divulgado para marcar o aniversário da catástrofe, que o processo de recuperação está apenas no início.

"As crianças, principalmente, sofreram e continuam sofrendo enormemente devido às sucessivas crises que ocorreram em 2010, e elas ainda não usufruem plenamente do seu direito à sobrevivência, saúde, educação e proteção", afirmou Françoise Gruloos-Ackermans, Representante do UNICEF no Haiti.

"O Haiti tem problemas institucionais e sistêmicos monumentais – anteriores ao terremoto – que requerem mais do que uma resposta de emergência para resolvê-los. O que torna ainda mais evidente a necessidade de organizações como o UNICEF se concentrarem no desenvolvimento e reforço de intervenções estruturais que permitam preparar convenientemente este país e os seus habitantes para o futuro", acrescentou Gruloos-Ackermans.

Responder aos desafios de crises humanitárias sucessivas exige empenho e investimento em soluções sustentáveis para o povo do Haiti. Água, saneamento e higiene estavam em declínio antes de 12 de janeiro de 2010, com apenas 19% das pessoas tendo acesso a instalações sanitárias básicas em 2006, em comparação a 29% em 1990.

Em resposta, o UNICEF forneceu mais de 11.300 latrinas, atendendo mais de 800 mil pessoas. Diariamente, mais de 600 latrinas são esvaziadas como parte dos esforços do UNICEF para manter padrões de saneamento seguro. Embora persistam desafios em relação a água e saneamento, o UNICEF está trabalhando para ajudar a pôr em prática soluções sustentáveis, incluindo o investimento em sistemas de abastecimento de água e o enfoque no saneamento liderado pela comunidade.

No período imediatamente após o terremoto, o UNICEF, a OMS e seus parceiros realizaram campanhas de vacinação de emergência que imunizaram dois milhões de crianças contra doenças evitáveis, tais como a poliomielite, a difteria e o sarampo. A distribuição de 360 mil mosquiteiros tratados com insecticida alcançou mais de 163 mil famílias nas regiões costeiras do sul, onde a malária é endêmica.

No auge da resposta de emergência, o UNICEF e seus parceiros forneceram uma média diária de 8,3 milhões de litros de água potável, transportados em caminhões, a aproximadamente 680 mil pessoas. Com o atual surto de cólera, o UNICEF está fornecendo mais de 10,9 toneladas de cloro e mais de 45 milhões de pastilhas para purificar água a fim de assegurar o fornecimento de água potável a três milhões de pessoas na capital e localidades adjacentes.

O Grupo de Trabalho Interagencial para a Proteção da Criança, liderado pelo UNICEF, ajudou a registrar e reunir crianças que foram separadas de suas famílias e trabalhou com parceiros nacionais e internacionais para criar 369 espaços amigos da criança para aproximadamente 95 mil crianças nas áreas afetadas pelo terremoto. O UNICEF também iniciou atividades de prevenção e resposta da violência baseada em gênero, e, sobretudo, do tráfico de crianças. Até a data, 4.948 crianças foram registradas e 1.265 foram reunidas com suas famílias.

O UNICEF e seus parceiros ajudaram a criar escolas, forneceram tendas e materiais didáticos e alocaram recursos para que 720 mil crianças pudessem voltar às aulas, e, em alguns casos, ir à escola pela primeira vez. No entanto, mais da metade das crianças do Haiti não vai à escola e a construção de escolas continua condicionada à remoção de entulho e a questões de propriedade da terra.

O terremoto veio acentuar os problemas estruturais profundamente enraizados enfrentados pelas crianças haitianas, incluindo a desnutrição crônica, que afeta uma a cada três crianças com menos de 5 anos. O UNICEF trabalha com os seus parceiros para fornecer suplementos nutricionais destinados a suprir as necessidades específicas de bebês e suas mães. Por volta do meio do ano passado, uma rede de 107 ‘tendas amigas do bebê’ estava em pleno funcionamento, fornecendo informação e aconselhamento nutricional a mães e crianças, incluindo um espaço seguro para o aleitamento materno. Até agora, mais de 102 mil crianças e 48.900 mães foram alcançadas por esses serviços.

"Vimos resultados no ano passado, mas lacunas significativas persistem e é preciso fazer muito mais em colaboração com a ONU, as ONGs, o setor privado, a sociedade civil e os parceiros governamentais para garantir o cumprimento dos nossos compromissos para com as crianças e as mulheres, incluindo o compromisso de resolver a situação daqueles que ainda estão deslocados pelo terremoto e daqueles que, nas áreas rurais remotas, lutam para satisfazer as suas necessidades diárias", afirmou Gruloos-Ackermans.

"As crianças do Haiti têm o direito a crescer com acesso a educação, nutrição, água potável e saneamento; têm o direito a ser protegidas da exploração e das doenças – e acreditamos que, com apoio e compromisso, as sementes da recuperação podem ser plantadas e esses objetivos podem ser atingidos."

Mais informações:
Patrick McCormick, UNICEF em Nova Iorque
Telefone: + 1 212 326 7426
E-mail: pmccormick@unicef.org

Jean-Jacques Simon, UNICEF no Haiti
Telefone: + 509 3702 3698
E-mail: jsimon@unicef.org

Douglas Armour, UNICEF no Haiti
Telefone: + 509 3765 7872
E-mail: darmour@unicef.org

 

 

 

 

Biblioteca

Material disponível somente em inglês

Relatório
Children in Haiti: One Year After – The long road from relief to recovery [PDF]


Vídeo
One year on, despite gains, children at risk
[veja no YouTube]
unite for children