Imprensa

Notícias

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias sobre o Haiti

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Concurso Adobe Youth Voices Aspire Awards UNICEF Challenge

Concurso infanto-juvenil de vídeos de um minuto

Materiais para radialistas

Dia Internacional da Criança no Rádio e na TV

Discursos do Representante do UNICEF no Brasil

Artigos

Outros discursos

Expresso 227

Contatos

 

Secretário-Geral da ONU visita comunidade popular no Rio de Janeiro

© Alexandre Amorim/UNICEF Brasil

Ban Ki-moon subiu o Morro Chapéu Mangueira, na cidade do Rio de Janeiro, para conversar com adolescentes das comunidades cariocas

Rio de Janeiro, 27 de maio – O Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, teve um encontro, na tarde do dia 27 de maio de 2010, com adolescentes que vivem nas comunidades populares do Rio de Janeiro. Ele subiu o morro para conhecer o trabalho social que é realizado na comunidade Babilônia, no Chapéu Mangueira.

Ban Ki-moon visitou projetos sociais desenvolvidos na comunidade em parceria com os governos federal, estadual e municipal e teve também a oportunidade de conversar com adolescentes que fazem parte da Plataforma dos Centros Urbanos, iniciativa desenvolvida pelo UNICEF e seus parceiros.

Ban Ki-moon e sua comitiva foram recepcionados na Escola Tia Percília por 12 adolescentes, pelo presidente da Associação de Moradores da Comunidade Babilônia, Carlos Palô, pelo presidente da Associação de Moradores do Chapéu Mangueira, Valdinei Medina e pela líder comunitária e fundadora da escola,  tia Percília. A representante do UNICEF no Brasil, Marie-Pierre Poirier, facilitou o diálogo do Secretário-Geral com meninas e as meninos da comunidade. Eles conversaram sobre os desafios enfrentados diariamente pelos adolescentes que vivem nas comunidades populares. O Secretário-Geral conheceu também o trabalho realizado por esses jovens para tornar os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio uma realidade também para a comunidade onde vivem. Para isso, contam com o apoio do UNICEF, que tem contribuído para aproximá-los dos gestores públicos e, ao mesmo tempo, a exercerem sua cidadania.

No Brasil, cerca de 80% da população vive em áreas urbanas. Nesse contexto, as grandes cidades apresentam cenários de profunda iniquidade. Para se ter uma ideia, a taxa de mortalidade neonatal precoce (menos de 7 dias de nascido) chega a ser até duas vezes maior nos bairros mais pobres, se comparada às taxas registradas em regiões mais ricas.

A estudante Joana, 18 anos, uma das adolescentes que recepcionou o Secretário-Geral, destacou que em relação ao HIV ainda há muito preconceito. O Brasil é uma referência mundial na área do tratamento. Entretanto, em algumas situações, ainda falta medicamentos. Ela pediu que fossem dadas garantias para que não faltem tratamentos para todos.  Joana vive com o vírus desde o seu nascimento.

Gustavo, de 16 anos, um dos adolescentes que faz parte da Plataforma dos Centros Urbanos, iniciativa desenvolvida pelo UNICEF e parceiros, destacou que as desigualdades persistem na cidade. “No mesmo bairro temos mansões e favelas uma do lado da outra”, comentou.

Os jovens falaram também sobre outros desafios como o meio ambiente, o preconceito na relação entre pessoas de diferentes classes sociais e a violência. Segundo eles, tiroteios e as brigas nas comunidades os impedem de freqüentas as aulas.

Renato, outro jovem que faz parte da Plataforma dos Centros Urbanos da comunidade de Cidade de Deus, destacou que os adolescentes têm buscado ser ouvidos pelos gestores públicos. Renato comentou que no ano passado, em decorrência da Plataforma dos Centros Urbanos, ele e outros adolescentes tiveram uma audiência com prefeito da cidade, Eduardo Paes. Numa outra ocasião,  ele teve oportunidade de participar do Fórum Urbano Mundial, organizado pela UN-HABITAT.

O Secretário-Geral se mostrou muito feliz com a participação dos adolescentes. Ele destacou que a ONU vem trabalhando com dedicação para que todos esses desafios sejam superados.

Ban Ki-moon  falou o quanto a ONU vem trabalhando para que o mundo seja mais harmônico e menos excludente. Ele disse também que as desigualdades precisam ser superadas. Para ele, não há sentido nenhum para que existam discriminações de gênero, raça e etnia ou fé.

Ele terminou sua fala dizendo aos adolescentes que é necessário ter esperança e expectativas.

Os adolescentes entregaram ao Secretário-Geral uma carta com suas reivindicações para que o mundo se torne melhor.  Ban Ki-moon e sua esposa também receberam uma camisa da seleção brasileira de futebol. O secretário presenteou cada um dos adolescentes com um boné da ONU.

A visita do Secretário-Geral da ONU à comunidade Babilônia faz parte da sua agenda oficial de visitas ao Brasil. Ele veio participar do III Fórum da Aliança de Civilizações da Organização das Nações Unidas que está sendo realizado no Museu de Arte Moderna (MAM) no Rio de Janeiro entre os dias 27 e 29 de maio. Após a visita à comunidade do Morro de Chapéu Mangueira, Ban Ki-moon seguiu para o Forte do Leme, onde participou de uma solenidade para homenagear os militares brasileiros que perderam suas vidas a serviço da ONU no Haiti.

O encontro na comunidade foi organizado pela UNIC, HABITAT e UNICEF.

Centros Urbanos - Lançada em julho de 2009, a Plataforma dos Centros Urbanos é uma iniciativa nacional coordenada pelo UNICEF que articula diversos setores da sociedade com o objetivo de garantir os direitos de cada criança e cada adolescente que vivem nas comunidades populares. A intenção é reduzir as disparidades sociais que caracterizam os territórios urbanos e afetam a vida de meninos e meninas. “É uma metodologia social que pretende contribuir com o País para que os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio sejam uma realidade para todas as crianças”, explica a representante do UNICEF no Brasil, Marie-Pierre Poirier. Ela afirma que a Plataforma dos Centros Urbanos tem também o objetivo de aproximar as crianças e os adolescentes do poder público para que esse diálogo seja feito e, como isso, “esses meninos e meninas possam realmente ser ouvidos nas suas necessidades e desafios para exercerem plenamente os seus direitos.”

Mais informações
Alexandre Amorim – Telefone: (61) 3035 1947 –
E-mail: aamorim@unicef.org

 

 

 
unite for children