Imprensa

Notícias

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias sobre o Haiti

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Concurso Adobe Youth Voices Aspire Awards UNICEF Challenge

Concurso infanto-juvenil de vídeos de um minuto

Materiais para radialistas

Dia Internacional da Criança no Rádio e na TV

Discursos do Representante do UNICEF no Brasil

Artigos

Outros discursos

Expresso 227

Contatos

 

Adolescentes analisam necessidades da juventude urbana no Rio de Janeiro

Rio de Janeiro, 22 de março – Esta semana está sendo realizado na cidade do Rio de Janeiro o 5° Fórum Urbano Mundial – O Direito à Cidade: Construindo o Urbano Dividido. O Fórum foi estabelecido pelas Nações Unidas para analisar questões relacionadas à rápida urbanização e seu impacto nas comunidades, cidades, economias, mudanças climáticas e políticas.

O evento começou no último dia 19, com a Assembleia Mundial da Juventude Urbana. O adolescente Renato Gardel, de 18 anos, que participa da Plataforma do Centros Urbanos no Rio de Janeiro, falou no fórum para jovens e adultos de várias partes do mundo.

Leia a íntegra de seu discurso:

Bom Dia!
Eu habito a Cidade de Deus.
Eu habito a Cidade do Rio de Janeiro.
Em mim habita uma juventude.
Eu tenho uma história.
Eu vim da Bahia.
Fui adotado, e vim para o Rio.
No meu pai, habitou a violência,
E as cidades se habituaram ao ilícito, ao perigo e ao errado.
E se habituaram também a subestimar o potencial dos seus jovens.
Isso me incomoda.
Escuto: O Jovem é instável
Tá certo, é verdade e eu pergunto: e a economia no mundo? E os casamentos? E a política?
Escuto: O Jovem transgride
Picasso transgrediu as normas da pintura.
Einstein transgrediu os limites da física de Newton.
Escuto: O Jovem não tem os pés no chão
E eu pergunto: o chão é tão confiável assim? As terras tremem por todos os lados,
Debaixo dos pés de nossos irmãos e irmãs no Haiti... no Chile...
Escuto: O Jovem não para quieto
Sim, nós somos inquietos. E com tudo que se passa no mundo, é o caso de ficar parado? Gostaríamos que nossos dirigentes ficassem mais inquietos.
Escuto: O Jovem muda de humor o tempo todo
E eu digo que sim, nós nos emocionamos com facilidade. E quantos chamados “adultos responsáveis” perderam a capacidade de se emocionar?
E essa questão eu quero destacar. Esse talvez seja um dos elementos mais IMPORTANTES que parecem ficar esquecidos e desprezados no mundo adulto.
As emoções não são privilégio de nenhuma classe social:
Qual é o jovem, seja ele de que região do mundo for, seja ele de que classe social, de que estrato cultural, não carrega cotidianamente poesia, músicas, que falam de sentimentos de sua alma?
Qual é o jovem no mundo que não sentiu tristeza?
Qual o jovem do mundo, da favela, da cidade, do condomínio de luxo que não sentiu medo?
Que não se apaixonou? Que não sentiu raiva?
Que não se sentiu perdido? Angustiado, alegre?
Alguns adultos deixam para trás esses elementos que fazem com que a gente se sinta humano, vivo. Pois se cobriram de mágoas, de desconfianças e decepções. E a falta desses sentimentos muitas vezes os fazem esquecer de nossas igualdades.
Somos todos feitos da mesma matéria dos sonhos!!!
Creio que uma das nossas funções como jovens no mundo é manter viva a lembrança disso, que nos une para além das classes sociais, além das religiões, além das fronteiras.
As emoções, os sentimentos, que por sua vez podem nos lembrar de nossas igualdades. É talvez essa a qualidade dos jovens que pode criar as pontes entre nós jovens e lembrar aos adultos esquecidos e pragmáticos de que somos todos pessoas.

Nós jovens temos um olhar que não está limitado pelo estabelecido.
Temos uma capacidade de ver, arriscar e ir além das idéias já pensadas.
Somos a paixão, o desejo, o tesão e a esperança.
Nós, em qualquer lugar do mundo, somos a lembrança dos desejos de mudanças.
E por isso devemos nos orgulhar e assumir a responsabilidade de ser o que somos e inspirar aqueles que se tornaram amargos e desesperançados.
Assim eu proponho outra visão de nós jovens.
Assim como as crianças, mulheres e idosos
não são apenas um grupo populacional.
Olhando com atenção:
Se crianças são uma representação de aspectos humanos como a espontaneidade e inocência,
As mulheres, manifestações do cuidado, do acolhimento e da sensibilidade,
Os idosos, expressão de sabedoria e experiência...
Da mesma forma, nós jovens, de qualquer lugar do mundo, não somos apenas uma faixa etária, nós somos a ponte, a sinalização, o convite, o desejo e a possibilidade de transformações que habita a alma de todos nós.
Muito obrigado!

 

 

 

 

Garantindo os direitos de meninas e meninos nas cidades brasileiras


unite for children