Imprensa

Notícias

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias sobre o Haiti

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Concurso Adobe Youth Voices Aspire Awards UNICEF Challenge

Concurso infanto-juvenil de vídeos de um minuto

Materiais para radialistas

Dia Internacional da Criança no Rádio e na TV

Discursos do Representante do UNICEF no Brasil

Artigos

Outros discursos

Expresso 227

Contatos

 

Um comprometimento em longo prazo com as crianças afetadas pelo terremoto no Haiti

© UNICEF/NYHQ2010-0240/Noorani
A devastação causada pelo terremoto em 12 de janeiro ainda pode ser vista nas ruas da capital Porto Príncipe.

Por Roshan Khadivi, Assessora de Comunicação do UNICEF

Porto Príncipe, 25 de fevereiro – Eu cheguei neste país como parte da equipe de emergência, depois do terremoto, e hoje é o último dia das minhas atribuições aqui.

Os últimos 30 dias – trabalhando em altas temperaturas, desde o amanhecer até tarde da noite, nos escritórios-tenda provisórios do UNICEF próximos ao Aeroporto Internacional de Toussaint Louverture – foram inacreditavelmente intensos. Os escritórios e depósitos permanentes do UNICEF no Haiti foram muito danificados pelo terremoto de 12 de janeiro, então, a equipe está realizando seus grandes esforços de ajuda a partir de locais temporários.

Eu já estive em muitas emergências pelo mundo, mas o Haiti foi uma experiência única. Um passeio por cada canto da capital, Porto Príncipe, conta a história da destruição maciça que ocorreu no país.

“Mais determinado do que qualquer um possa imaginar”
Eu perguntei a um colega de origem haitiana – que viajou da América do Norte, para ajudar, após o terremoto – como as pessoas aqui estão enfrentando a situação. “O povo haitiano é mais determinado do que qualquer um possa imaginar. Ainda que seja difícil esquecer, pois tudo o que está ao seu redor é uma lembrança, o povo continua seguindo em frente”, ele respondeu.

O Parque Champs de Mars, na capital, já foi um lugar maravilhoso, principalmente quando o Haiti comemorava seu carnaval anual, a cada mês de fevereiro. Como muitos outros lugares em Porto Príncipe, essa área é agora um refúgio para famílias desabrigadas.

Eu vi crianças brincando no parque, rindo e observando curiosamente um funcionário do UNICEF monitorando uma “tenda do bebê”. Em apoio ao governo do Haiti, o UNICEF e seus parceiros estão ajudando mães lactantes e recém-nascidos nesses espaços improvisados por tendas suspensas, que garantem privacidade e um ambiente seguro para a amamentação.

Outras atividades de ajuda no parque incluem abastecimento de água limpa; vacinação de crianças contra sarampo, rubéola, tétano, difteria e coqueluche; construção de latrinas; e registro de crianças desacompanhadas que perderam contato com suas famílias.

Período ameaçador de furacões
Com o período de chuvas e furacões aproximando-se, as equipes de água e saneamento do UNICEF estão trabalhando com as autoridades haitianas para aumentar o número de latrinas, distribuir água potável e melhorar as condições sanitárias e de higiene para a população desabrigada – tudo isso como forma de prevenir o risco de doenças diarreicas.

Essa é uma grande tarefa, uma vez que o número de campos continua crescendo na capital e nas cidades afetadas de Jacmel e Leogane. O fato de que muitas partes do país não tinham sistema de tratamento de esgoto adequado – mesmo antes do terremoto – oferece desafios adicionais.

Eu admiro meus colegas do UNICEF aqui. Muitos estavam no país durante a catástrofe natural devastadora e perderam membros de suas famílias, casas e pertences, mas eles ainda estão se apresentando todos os dias para ajudar a fazer a diferença na vida das crianças haitianas.

© UNICEF/NYHQ2010-0212/Shehzad Noorani
No primeiro dia de aula, Yolande Senatus, 9 anos, conversa com a Assessora de Comunicação do UNICEF Roshan Khadivi, na entrada da tenda-escola montada pelo UNICEF.

Em minha última semana no Haiti, conheci Yolande, de 9 anos, na tenda-escola de Mount Jacquot, nas cercanias de Porto Príncipe. A comunidade é acessível apenas por uma estrada íngreme. Apesar da dificuldade de helicópteros pousarem lá, o UNICEF entregou tendas para a construção de uma escola e uma clínica, bem como kits escolares, remédios e equipamentos médicos básicos.

A escola traz esperança
“Eu gosto de desenhar, cantar e brincar com meus amigos. Eu estou tão feliz hoje”, disse Yolande, que perdeu, no terremoto, tanto sua casa quanto sua antiga escola.

O professor de Yolande, Onickel Paul, me disse que a abertura da tenda-escola tem ajudado a trazer às crianças e aos pais esperança de que as coisas vão melhorar no Haiti.

Apesar de apenas poucas escolas estarem abertas na capital do Haiti e em áreas afastadas, todos estão trabalhando para ajudar o Ministério da Educação em seus esforços para o retorno às aulas em 31 de março. Para alcançar esse objetivo, tendas serão montadas para uso imediato como salas de aula, e professores serão identificados e capacitados. Um programa intensivo de aprendizagem também será colocado em prática para garantir que alunos abandonem os estudos.

Recentemente, um jornalista me perguntou como o Haiti lidará com as colossais mudanças à frente. Eu respondi que tais mudanças são a razão de o UNICEF e seus parceiros estarem no local, e, ainda que o Haiti possa aparecer e desaparecer dos noticiários, nós temos um compromisso de longo prazo aqui.

 

 

 

 

Doações para o Haiti

O escritório do UNICEF no Brasil encerrou, no último dia 1° de abril, sua campanha de arrecadação de recursos para o Haiti.

Caso queira ajudar a garantir os direitos das crianças e adolescentes brasileiros, saiba como contribuir com nossos programas.
unite for children