Imprensa

Notícias

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias sobre o Haiti

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Concurso Adobe Youth Voices Aspire Awards UNICEF Challenge

Concurso infanto-juvenil de vídeos de um minuto

Materiais para radialistas

Dia Internacional da Criança no Rádio e na TV

Discursos do Representante do UNICEF no Brasil

Artigos

Outros discursos

Expresso 227

Contatos

 

Voluntários dão apoio psicossocial a crianças vítimas do terremoto

© UNICEF/NYHQ2010-0131/LeMoyne
Crianças que viveram alguma situação de catástrofe necessitam de apoio psicossocial, como o oferecido pelo programa Voltando a Ser Feliz.

Por Jennifer Bakody

Santo Domingo, 11 de fevereiro – Em cada hospital, em cada tenda, encontram-se meninas e meninos haitianos com membros quebrados e, até mesmo, amputados, deitados em colchões incapazes de brincar. Quando perguntados como se sentem, muitos deles sorriem e dizem que estão bem. Contundo, não importa o quão resiliente uma criança pode ser, praticamente todas aquelas que viveram uma situação de catástrofe, como o terremoto do dia 12 de janeiro no Haiti, apresentam sofrimento psicológico. Esses sintomas podem incluir pesadelos, isolamento e dificuldade de concentração. 
 
Ao final de janeiro, 58 jovens voluntários haitianos se reuniram em três salas de conferência de um hotel de Santo Domingo, capital da República Dominicana, para aprender sobre o programa do UNICEF Voltando a Ser Feliz, que oferece apoio psicossocial às crianças vítimas do terremoto. “Apesar de tudo, a vida continua. Ela precisa continuar. Eu quero ser útil para a reconstrução do meu país”, disse Fratz Ley Philippe, um dos voluntários.

Reivindicando a infância
Nos últimos seis meses – em um projeto lançando antes do terremoto que devastou o Haiti – Ângela Caba, especialista em Proteção à Infância do UNICEF, esteve desenvolvendo um conjunto de manuais, como atividades semanais, com a finalidade de apoiar crianças que passaram por uma experiência traumática. Essas diretrizes formam as bases do Voltando a Ser Feliz. A infância precisa ser um período feliz, as crianças devem brincar e desfrutar de atividades saudáveis. “Brincando, elas aprendem a se comportar, a se proteger e a resolver problemas”, explica Caba. Ela completa: “O programa Voltando a Ser Feliz vai além da recuperação emocional pós-desastre. Ele ajuda as crianças a aprenderem como viver suas vidas”.

Por meio do programa, um espaço seguro é criado, onde crianças podem conversar, criar, desenhar, enfim, desenvolver uma série de atividades lúdicas. Uma equipe capacitada de psicólogos usa estas ferramentas para trabalhar as emoções das crianças, seus valores e sonhos para o futuro. Elas também aprendem sobre os direitos da infância. Sempre que possível, familiares e cuidadores são encorajados a participar. 

© UNICEF Haiti/2010/Bakody
Jutile Loiseau e Fratz Ley Philippe (ao centro) estão entre os 180 voluntários haitianos treinados pelo UNICEF que darão apoio psicossocial às crianças vítimas do terremoto.

“Todo mundo quer ajudar”
Durante o treinamento em Santo Domingo, a voluntária Jutile Loiseau expressou a vontade de ajudar o seu país, especialmente às crianças traumatizadas.

Loiseau estudou medicina na República Dominicana, onde atualmente trabalha. No Haiti, um de seus primos morreu vítima do terremoto. Seus familiares viram suas casas e negócios, 25 anos de trabalho, destruídos em 15 minutos.
 
“Após o que aconteceu, o mundo se mobilizou. Todo mundo quer ajudar, mesmo que com apenas uma pequena peça do quebra-cabeça. Frequentemente, temos o desejo de ajudar, mas não sabemos como. Agora, o UNICEF nos deu ferramentas e materiais para fazê-lo de forma profissional”, relatou Loiseau.

Nos próximos dias, o governo haitiano e agências humanitárias irão solicitar que Loiseau, Philippe e os outros 180 voluntários, que falam creole e foram treinados pelo programa Voltando a Ser Feliz, atuem no apoio às crianças vítimas da tragédia.

Devido ao fato de que quase 40% da população haitiana têm menos de 14 anos de idade, a crise gerada pelo terremoto é uma emergência para a infância. As crianças precisam ser localizadas, alimentadas, mantidas saudáveis e seguras. Há, sim, razões para esperança. Muitas crianças e adolescentes vão retomando suas rotinas, uma vez que suas necessidades básicas estão sendo garantidas, da mesma forma que as condições de segurança vêm sendo restabelecidas, dentro do contexto familiar, comunitário e social.  

Como ajudar
O UNICEF no Brasil está recebendo doações para as vítimas do terremoto no Haiti. As doações podem ser feitas, por meio de depósito bancário, em favor do Fundo das Nações Unidas para a Infância, no Banco do Brasil; agência 3382-0; conta-corrente nº 404700-1. O CNPJ do UNICEF é 03744126/0001-69.

Essa arrecadação do UNICEF no Brasil está sendo feita em articulação com as outras agências do Sistema ONU e tem como foco prestar socorro às crianças e aos adolescentes vítimas do terremoto.

O UNICEF no Brasil também está recebendo doações para o Haiti por meio de seu site.

Mais informações sobre as doações podem ser obtidas pelo telefone 0800 601 8407.

 

 

 

 

Doações para o Haiti

O escritório do UNICEF no Brasil encerrou, no último dia 1° de abril, sua campanha de arrecadação de recursos para o Haiti.

Caso queira ajudar a garantir os direitos das crianças e adolescentes brasileiros, saiba como contribuir com nossos programas.
unite for children