Imprensa

Notícias

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias sobre o Haiti

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Concurso Adobe Youth Voices Aspire Awards UNICEF Challenge

Concurso infanto-juvenil de vídeos de um minuto

Materiais para radialistas

Dia Internacional da Criança no Rádio e na TV

Discursos do Representante do UNICEF no Brasil

Artigos

Outros discursos

Expresso 227

Contatos

 

Um dia na vida dos funcionários do UNICEF no Haiti

© UNICEF/NYHQ2010-0119/LeMoyne
Pessoal do UNICEF trabalha à luz de lamparinas em escritórios improvisados na base da missão da ONU, próxima ao aeroporto de Porto Príncipe. Os escritórios do UNICEF na cidade, bem como as casas de vários funcionários, foram danificados pelo terremoto.

Por Richard Alleyne

Porto Príncipe, 1º de fevereiro – O UNICEF está presente no Haiti desde 1949. O terremoto que atingiu o país com tamanha força no dia 12 de janeiro afetou significativamente a capacidade da agência em dar respostas, mas a equipe tem se adaptado às condições adversas no local.

Assista ao vídeo (em inglês)

O seu trabalho tem sido fundamental para assegurar que a ajuda humanitária chegue às crianças. Esta crise no Haiti é uma emergência para as crianças; cerca de 40% da população do Haiti possui menos de 14 anos e muitos meninos e meninas ainda correm risco.

Transferidos dos escritórios danificados
No dia 12 de janeiro, os escritórios do UNICEF em seus dois prédios principais na capital do Haiti, Porto Príncipe, sofreram sérios danos – forçando a transferência dos funcionários e suas operações para a base logística da força de paz da ONU no país, conhecida como Minustah.

“Enquanto percebíamos que era necessário agir rapidamente para atender às necessidades do povo do Haiti”, disse o Representante do UNICEF no Haiti, Guido Cornale, “minha preocupação imediata foi o bem-estar da nossa equipe local, que são haitianos e trabalham para o UNICEF. Essas pessoas, como muitas da comunidade, perderam suas casas e seus entes queridos no terremoto”.

Trabalhando com os suprimentos mais básicos, os funcionários juntaram-se no acampamento temporário um dia após o terremoto. Realizaram reuniões a céu aberto, sentados em bancos de lajes de concreto, enquanto coordenavam a resposta à emergência.

© UNICEF vídeo
A chefe da área de operações do UNICEF no Haiti, Roseline Araman, em frente ao escritório temporário, próximo ao aeroporto de Porto Príncipe.

“Um ou dois dias após a nossa chegada, conseguimos algumas lonas impermeabilizadas, pelo menos estávamos abrigados do sol”, disse Roseline Araman, Chefe da área de Operações do UNICEF no Haiti. “A primeira ação essencial para nós era ativar os telefones satélites, uma vez que todo o sistema de comunicação tinha caído.”

Suprimentos e socorro para a equipe
Localizada próxima ao aeroporto de Porto Príncipe, a base logística da Minustah é uma ampla área, com contêineres de suprimentos, trailers e barracas espalhados, de onde os capacetes azuis das tropas da ONU conduzem o treinamento tático. Aviões de carga sobrevoam o local, fazendo barulho, e as ruas empoeiradas estão permanentemente obstruídas com pesados caminhões, veículos quatro por quatro e empilhadeiras.

O acampamento do UNICEF está entre a tenda do Centro de Coordenação das Operações no local e o trailer à prova de fogo da base.

Uma semana após o terremoto, o UNICEF recebeu sua primeira tenda de ampla capacidade. Ao mesmo tempo, suprimentos e ajuda humanitária para a equipe – que estavam prontos no depósito regional do UNICEF para a América Latina e o Caribe, situado na Cidade do Panamá – chegavam ao Haiti. Grande parte dessa ajuda entrou no país pela República Dominicana. Aviões adicionais de outros lugares também foram enviados em seguida, chegando a mais de 15 voos até agora.

Vinte dias após o terremoto, o acampamento do UNICEF tem agora duas tendas amplas que abrigam a equipe do UNICEF e o espaço para as operações, divididas em vários setores, incluindo água potável, saneamento, proteção às crianças, nutrição e educação.

Funcionários internacionais entram em ação
O UNICEF acionou sua equipe de emergência de Nova Iorque, Genebra, Copenhague e Cidade do Panamá para apoiar e complementar a resposta à emergência lançada pela equipe do Haiti. Entre outras atividades,

  • Uma equipe de logística no acampamento do UNICEF coordena o armazenamento e a distribuição de alimentos, barraca, cobertores e outras necessidades de sobrevivência e trabalho realizados diariamente.
  • Uma antena parabólica fornece um sinal confiável para as telecomunicações com o mundo externo.
  • Um sistema para deixar a postos os carros e motoristas do UNICEF tem sido uma função crucial da operação de emergência, uma vez que as equipes de avaliação precisam se deslocar rapidamente para todos os bairros de Porto Príncipe e áreas fora da capital.

Ações para as crianças
Todos os dias às 7 da manhã, a equipe do UNICEF reúne-se para receber as últimas instruções de segurança e compartilhar as informações sobre as recentes ações em cada setor. Essas atualizações são compiladas e incorporadas ao relatório diário da situação que é enviado para os funcionários do UNICEF em todo mundo.

As atualizações diárias são essenciais para avançar na estratégia de resposta à emergência em cada setor e alocar os fundos apropriados para cuidar das necessidades da população afetada.

No fim desta semana, a operação do UNICEF está agendada para avançar novamente – desta vez, para uma ação mais ampla na comunidade de Tabarre, em Porto Príncipe. Essa ação inclui 10 barracas de grande capacidade para depósito de suprimentos. Inclui também quatro amplas construções pré-fabricadas que servirão de acomodação para a equipe do UNICEF, tanto para trabalhar como para viver, para continuar suas ações pelas crianças do Haiti.

 

 

 

 

Doações para o Haiti

O escritório do UNICEF no Brasil encerrou, no último dia 1° de abril, sua campanha de arrecadação de recursos para o Haiti.

Caso queira ajudar a garantir os direitos das crianças e adolescentes brasileiros, saiba como contribuir com nossos programas.
unite for children