Imprensa

Notícias

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias sobre o Haiti

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Concurso Adobe Youth Voices Aspire Awards UNICEF Challenge

Concurso infanto-juvenil de vídeos de um minuto

Materiais para radialistas

Dia Internacional da Criança no Rádio e na TV

Discursos do Representante do UNICEF no Brasil

Artigos

Outros discursos

Expresso 227

Contatos

 

UNICEF reúne parceiros para discutir cooperação com o Brasil

© UNICEF/BRZ/Glauber Queiroz
Reunião para a Revisão de Meio Termo do Programa de Cooperação do UNICEF com o Brasil teve a participação de mais de 100 pessoas, entre representantes governamentais e não governamentais, adolescentes e equipe do UNICEF.

Revisão de Meio Termo contou com representantes de governos, parlamentares, sociedade civil, setor empresarial e adolescentes

Brasília, 24 de novembro – O Fundo das Nações Unidas para a Infância no Brasil (UNICEF) reuniu, nesta terça-feira (24/11), parceiros dos governos federal, estaduais e municipais, da sociedade civil e do setor privado para discutir seu programa de cooperação com o País. O evento, realizado em Brasília, contou também com a participação de adolescentes envolvidos em projetos apoiados pelo UNICEF na Amazônia, no Semiárido e em comunidades populares dos centros urbanos. Além da equipe do UNICEF no Brasil, participaram da reunião, vindos da sede do UNICEF em Nova Iorque, o Diretor Adjunto da Divisão de Programas, Dan Rohrmann; e o Diretor Associado da Seção de Orientação de Políticas e Programas, Robert Jenkins; e do escritório regional do UNICEF para a América Latina e o Caribe, o coordenador de Monitoramento e Avaliação, Bastiaan Van't Hoff; e a conselheira sobre Populações Excluídas, Anna Lucia D’Emilio.

A Revisão de Meio Termo tem o objetivo de avaliar as ações que o UNICEF vem empreendendo desde o início do atual programa de país, em 2007, e planejar as atividades até 2011, quando se encerra o presente ciclo de cooperação. Além disso, o encontro contribuirá para traçar estratégias para as atividades de 2012 a 2016.

Marie-Pierre Poirier, representante do UNICEF no Brasil, em seu discurso de abertura, destacou a importância do debate: “Estamos fazendo uma reflexão de como a cooperação do UNICEF pode ser mais estratégica e como podemos ajudar melhor o País, os Estados e os municípios a reduzir as desigualdades sociais”.

Ela também salientou a importância do envolvimento dos mais diversos setores da sociedade na promoção e garantia dos direitos de cada criança e cada adolescente no Brasil. “Com parceiros governamentais e da sociedade civil, identificamos os novos desafios que o UNICEF deve enfrentar nos próximos anos, levando em conta as mudanças internas e externas que vêm ocorrendo no País, assim como as próprias mudanças que vêm ocorrendo dentro do UNICEF”, esclareceu Marie-Pierre.

O secretário adjunto da Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Rogério Sottili, falou sobre o importante papel do UNICEF no Brasil. “A proteção dos direitos de crianças e adolescentes deve ser permanente. Essa nunca será uma tarefa cumprida. Por isso, contamos sempre com as agências da ONU, e muito especialmente com o UNICEF, para garantir cidadania e dignidade para nossas crianças e adolescentes.”

Também compôs a mesa André Rafael da Silva, representado os adolescentes do Semiárido brasileiro. Ele reivindicou uma maior participação de crianças e adolescentes nas instâncias de decisão, sobretudo nos Conselhos dos Direitos da Criança e do Adolescente. “A criança do Nordeste precisa de apoio. Pense no futuro, pense na criança”, destacou.

Como se sabe, o Brasil é um país peculiar. Ao mesmo tempo em que há grandes avanços na garantia dos direitos da criança, grandes desigualdades excluem grupos mais vulneráveis. Dan Rohrmann, Diretor Adjunto da Divisão de Programas do UNICEF em Nova Iorque, destacou o desafio de se trabalhar em países de renda média, como o Brasil. Ele ressaltou a importância de atuar, juntamente com as organizações nacionais, para que as políticas públicas sejam levadas à escala e garantam os direitos de cada criança e cada adolescente.

A mesa de abertura contou ainda com a participação de Márcio Lopes Corrêa, Coordenador Geral de Cooperação Técnica Multilateral da Agência Brasileira de Cooperação; Arlete Sampaio, Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome; Carmen de Oliveira, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente; Francisco Gaetani, Secretário Executivo Adjunto do Ministério do Planejamento; e Adson França, Assessor Especial do Ministro da Saúde.

© UNICEF/BRZ/Queiroz
Estefânia Silva, representando meninas e meninos da Plataforma dos Centros Urbanos, afirmou que, quando acreditam no próprio potencial, os adolescentes vão longe. “A gente não vai se conformar com um bom, porque o nosso potencial é ótimo”, concluiu.

Representantes do governo federal e de governos estaduais e municipais, parceiros do UNICEF da sociedade civil, do terceiro setor e de empresas, bem como adolescentes atuantes em suas comunidades, participaram de três grandes painéis durante todo o dia. Foram debatidos Os Direitos das Crianças e Adolescentes e o Desafio na Redução das Desigualdades em nível Estadual e Municipal; Políticas Nacionais para a Promoção e Garantia dos Direitos das Crianças e Adolescentes – O Desafio da Universalização dos Direitos das Crianças; e Parcerias para os Direitos das Crianças e Adolescentes – Avanços e Desafios.

Todos os painelistas destacaram a capacidade extraordinária do UNICEF de articular e mobilizar os mais diversos atores governamentais e não governamentais. O secretário de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do Ministério da Educação, André Lázaro, lembrou que a recente mudança na Constituição Brasileira – que ampliou a obrigatoriedade do ensino no Brasil de 9 para 14 anos de estudo – nasceu de uma provocação do UNICEF.

Marie-Pierre, depois de um intenso dia de debates, fechou as atividades ressaltando a importância da dedicação de toda a sociedade na promoção e garantia dos direitos de cada criança e cada adolescente no Brasil. “Hoje tivemos um encontro não só de instituições envolvidas com o UNICEF, mas também de pessoas comprometidas com nossas crianças e adolescentes”, explicou.

 

 

 

 

UNICEF no Brasil

Saiba mais sobre o Programa de Cooperação 2007-2011 do UNICEF com o Governo do Brasil.
unite for children