Imprensa

Notícias

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias sobre o Haiti

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Concurso Adobe Youth Voices Aspire Awards UNICEF Challenge

Concurso infanto-juvenil de vídeos de um minuto

Materiais para radialistas

Dia Internacional da Criança no Rádio e na TV

Discursos do Representante do UNICEF no Brasil

Artigos

Outros discursos

Expresso 227

Contatos

 

Governo do Pará, UNICEF, SPP e UFPA juntos para discutir melhorias da atenção perinatal no Estado

Belém, 25 de julho – O UNICEF, preocupado com as recentes denúncias sobre a alta taxa de mortalidade na UTI neonatal no último mês de junho na Santa Casa de Misericórdia do Pará, está dialogando com o Governo do Estado, a Sociedade Paraense de Pediatria e a Universidade Federal do Pará. A idéia é, além de estar presente e conhecer a realidade de saúde no estado, participar da construção de propostas para reverter o quadro de mortalidade neonatal na Santa Casa de Misericórdia e definir estratégias imediatas de médio e longo prazos para diminuir a enorme demanda dos municípios sobre a instituição de saúde.

Em relatório recente com estatísticas sobre o hospital, entregue a diversas autoridades, constam dados comparativos, como as taxas de mortalidade na neonatologia e na UTI neonatal. De acordo com o documento, a taxa de mortalidade na neonatologia em junho de 2007 foi de 15,6%, número que subiu para 21,7%, no mesmo período deste ano. Com relação às mortes na UTI, foram 48% em junho de 2007 e 56%, em junho deste ano.

Antônio Carlos Cabral, gestor de programas do escritório do UNICEF em Belém, esteve reunido com a coordenadora da Câmara Setorial de Políticas Sociais da Secretaria de Governo, Silvia Cumaru, que o levou para conhecer a estrutura física da Santa Casa, com foco na neonatologia. A visita contou com a presença do diretor da instituição, bem como dos médicos coordenadores dos serviços de neonatologia. Entre os problemas apontados pela equipe, está a demanda de vários municípios próximos à Belém que encaminham as crianças, na maior parte dos casos, sem atenção primária.

Na ocasião, discutiram e identificaram quais os municípios que devem ter prioridade, tendo como critérios aqueles que mais demandam serviços da Santa Casa. De acordo com relatos da equipe, a Santa Casa deveria ser um serviço de referência, mas o que acontece é que muitos dos casos encaminhados poderiam ser resolvidos nos municípios de origem. São 12 os municípios que mais demandam serviços da neonatologia e a proposta é iniciar um trabalho com cinco deles.

Ananindeua, Abaetetuba, Castanhal, Moju e Tailandia serão os primeiros a ter capacitação para os seus profissionais de saúde – médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem – em Atenção Integrada às Doenças Prevalentes da Infância (AIDPI), transporte de crianças, desenvolvimento infantil, competências familiares e reanimação em neonatal. A construção dessas propostas está sendo discutida entre UNICEF, Secretaria Estadual de Saúde (Sespa), Secretaria Estadual de Educação (Seduc), Sociedade Paraense de Pediatria (SPP) e Universidade Federal do Pará (UFPA), sob a coordenação da Câmara Setorial de Políticas Sociais.

De acordo com Antônio Carlos, “o Governo do Estado está enfrentando o problema com seriedade e com a celeridade que a questão exige, readequando a estrutura física da Santa Casa e identificando como acelerar outros processos que venham a contribuir para a melhoria dos serviços neonatais”. Outro aspecto importante, apontado por Antônio Carlos, “é o compromisso da equipe não só com os episódios recentes, mas com a qualidade dos serviços de uma maneira geral e a busca por soluções rápidas e efetivas”.

Ainda nesta sexta-feira, Governo do Estado, UNICEF, UFPA e SPP voltam a se reunir para definir atribuições de cada um para as próximas etapas visando a identificar as fontes de recursos, aprofundar o conhecimento sobre os cinco municípios já definidos e traçar estratégias para já dar início imediatamente às capacitações previstas. Entre elas, a reestruturação ou implantação dos Comitês de Mortalidade Materno Infantil, além de investigar e reduzir a mortalidade de crianças de até 4 anos e mulheres em idade fértil.

Mais informações:
Ida Pietricovsky Oliveira
Assessora de Comunicação do Escritório do UNICEF em Belém
Telefone: (91) 3073 5700
E-Mail: ipoliveira@unicef.org

 

 
unite for children