Imprensa

Notícias

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias sobre o Haiti

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Concurso Adobe Youth Voices Aspire Awards UNICEF Challenge

Concurso infanto-juvenil de vídeos de um minuto

Materiais para radialistas

Dia Internacional da Criança no Rádio e na TV

Discursos do Representante do UNICEF no Brasil

Artigos

Outros discursos

Expresso 227

Contatos

 

Água é vida, saneamento é dignidade – Dia Mundial da Água, 22 de março

Mais de 40% das crianças com menos de 5 anos na América Latina não têm acesso adequado a saneamento

© UNICEF/BRZ/Cavadas

Panamá, 20 de março – Na América Latina e no Caribe, 124 milhões de pessoas não contam com instalações de saneamento apropriadas – um banheiro adequado que permita conseguir privacidade, dignidade, limpeza e um ambiente saudável. Muitas vezes, isso significa exposição a múltiplos perigos: desde doenças que podem ser prevenidas até violências e abusos.

O Dia Mundial da Água, com o tema “O saneamento importa”, tem como objetivo chamar a atenção do público em geral, e especialmente das autoridades e tomadores de decisões sobre a quantidade de pessoas que ainda não têm acesso adequado a saneamento e higiene e que são vulneráveis a uma série de riscos à saúde. Mais de 75% das águas residuais são jogadas no meio ambiente sem tratamento algum, contaminando as fontes de água que usamos para beber.

“A ausência de saneamento adequado tem sérios impactos sobre a saúde e o desenvolvimento social, especialmente para as crianças. Os investimentos na melhoria do saneamento vão acelerar o progresso em direção aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e salvar vidas”, disse a diretora executiva do UNICEF, Ann M. Veneman.

O saneamento é vital para a saúde
Na América Latina e no Caribe, cerca de 20 mil crianças morrem todos os anos antes de completar 5 anos devido a doenças diarréicas agudas que poderiam ser evitadas mediante acesso a condições de higiene adequada, infra-estrutura de saneamento e água potável. Melhorar o acesso ao saneamento é um passo crucial para a redução do impacto dessas enfermidades.

O saneamento contribui para o desenvolvimento social
Melhorar as instalações de saneamento e promover a higiene nas escolas beneficia o aprendizado e a saúde das crianças. As escolas – o motor de desenvolvimento de nossa sociedade – conseguem atrair e manter os estudantes, especialmente as meninas, quando contam com saneamento e água potável. A falta de instalações de saneamento limpas, separadas e privadas nas escolas é uma das razões pela qual as crianças, especialmente as meninas durante a puberdade, ficam resistentes a freqüentar as escolas.

O saneamento é um bom investimento econômico
Os efeitos positivos do saneamento melhorado no crescimento econômico e na redução da pobreza são evidentes. Segundo um estudo da Organização Mundial da Saúde, cada dólar investido na melhoria do saneamento para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio gera, em média, um benefício econômico de US$ 12.

O saneamento favorece o meio ambiente
A qualidade das fontes de água está diretamente relacionada com o saneamento. A eliminação adequada dos dejetos humanos protege a qualidade da água e os recursos naturais, e, portanto, a nossa saúde.

A cada ano, mais de 200 milhões de toneladas de dejetos humanos ficam sem coleta e tratamento em todo o mundo. Na América Latina, somente 14% das águas residuais são tratadas e 40% dos resíduos sólidos não são dispostos adequadamente, contaminando a terra e os mananciais de água. 

Um saneamento adequado significa menor degradação ambiental, maior sustentabilidade dos recursos naturais e um futuro mais seguro e digno para os meninos e as meninas.

Melhorar o saneamento é possível
O custo aproximado de US$ 800 milhões de dólares por ano para reduzir pela metade a proporção de pessoas que não contam com saneamento básico antes de 2015 é simples e possível de se conseguir. Se mantido esse investimento, o saneamento básico universal poderá ser alcançado em uma ou duas décadas.

Para mais informações:
Wivina Belmonte, wbelmonte@unicef.org, UNICEF América Latina e Caribe

 

 
unite for children