Imprensa

Notícias

Notícias de 2013

Notícias de 2012

Notícias de 2011

Notícias de 2010

Notícias sobre o Haiti

Notícias de 2009

Notícias de 2008

Notícias de 2007

Concurso Adobe Youth Voices Aspire Awards UNICEF Challenge

Concurso infanto-juvenil de vídeos de um minuto

Materiais para radialistas

Dia Internacional da Criança no Rádio e na TV

Discursos do Representante do UNICEF no Brasil

Artigos

Outros discursos

Expresso 227

Contatos

 

Adolescentes e jovens indígenas exigem seus direitos

I Congresso de Adolescentes e Jovens Indígenas de São Gabriel da Cachoeira (AM) tem como pauta questões de interesse da juventude do Rio Negro

Vivian Ragazzi e Bianca Pyl,
Enviadas Especiais da Revista Viração, a convite do UNICEF

São Gabriel da Cachoeira, 1º de agosto – Valorização da cultura e das tradições dos povos indígenas. Essa foi a maior preocupação expressa pelas(os) participantes durante a abertura do I Congresso de Adolescentes e Jovens Indígenas de São Gabriel da Cachoeira (AM), organizado pelo Movimento dos Estudantes Indígenas do Amazonas (Meiam), que aconteceu na noite do dia 31 de julho na cidade amazonense. Até dia 3 de agosto, os cerca de 200 participantes pretendem discutir também sexualidade e DST/aids, alcoolismo, drogas, violência, suicídios e políticas públicas para a juventude.

“Este Congresso é bom para reconhecer os valores indígenas. Apesar de não sermos como antes, ainda guardamos a nossa cultura e queremos passá-la para outras gerações”, conta Maíra Fontes, 16 anos, da etnia Wanana.

Idealizado por Délio Alves, 22 anos, da etnia Dessan, o encontro tem como objetivo debater os principais problemas que a juventude indígena enfrenta e, a partir dessas discussões, desenvolver planos de políticas públicas. “Este é um momento histórico para os jovens indígenas. Somos excluídos, sofremos, mas temos forças para lutar por um mundo melhor”, afirma Délio.

O encontro conta com o apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), Fundação Nacional da Saúde (Funasa), Fundação Nacional do Índio (Funai), Foirn (Fundação das Organizações Indígenas do Rio Negro), Pastoral da Juventude, Fundação Estadual dos Povos Indígenas (Fepi) e Prefeitura de São Gabriel da Cachoeira.

“De forma tímida, eles estão começando a despertar para uma consciência mais crítica sobre seus direitos, passando a se mobilizar para encontrar seu caminho”, afirma Juscelino Otero Gonçalves, prefeito de São Gabriel da Cachoeira, município que possui três línguas oficiais: tukano, baniwa e português.

Em sintonia com o espírito do evento, o coordenador do escritório do UNICEF em Belém (PA), Fabio Atanasio de Morais, ressaltou a importância de dar voz ao jovem. “Viemos para ouvir e aprender com vocês, que serão atores da construção de políticas públicas para a juventude indígena.”

“O jovem não é levado a sério”
Ao som da canção da banda Charlie Brown Jr e de músicas indígenas, jovens representantes das 21 etnias da região do Rio Negro apresentaram-se para uma platéia formada por estudantes da escola estadual de São Gabriel da Cachoeira, autoridades e educadores, com trajes e objetos tradicionais.

Um dos integrantes do grupo, Emerson Chaves, 19 anos, da etnia Baré, foi enfático: “É a primeira vez que lembram dos jovens daqui. Um evento como este vai ajudar nossa gente. Acredito que poderá sair um conselho deste encontro”, pontua o jovem, que aprendeu a falar sua língua de origem antes do português, mas não sabe escrever em baré, pois não aprendeu na escola. Apenas há cerca de cinco anos, as instituições de ensino do município passaram a dar aulas em duas línguas. “Só falo baré em casa, porque sou discriminado pelos jovens brancos quando converso nessa língua.”

O estudante Inácio Cordeiro, 18 anos, concorda com Emerson sobre a discriminação sofrida pelos jovens indígenas, e completa: “Teremos a oportunidade de discutir todas essas questões com mais profundidade”. Ao final do Congresso, será elaborado um documento a ser entregue aos poderes municipais, estaduais e federal, com as conclusões aprovadas pelos participantes.

 

 
unite for children