Nossas prioridades

Infância e adolescência no Brasil

Sobreviver e se desenvolver

Aprender

Proteger(-se) do HIV/aids

Crescer sem violência

Ser prioridade absoluta nas políticas públicas

Adolescentes

Raça e etnia

Esportes e lazer

Cooperação Horizontal Sul-Sul

Lista das instituições apoiadas pelo UNICEF

 

As famílias entram em campo

Onze dicas para que famílias e cuidadores garantam a proteção de suas crianças e adolescentes no futebol

  1. Incentive crianças e adolescentes a praticar esportes, sem obrigá-los a gerar resultados ou induzi-los à prática do esporte de alto rendimento.
  2. Estimule meninas e meninos a praticar a modalidade esportiva que desejarem, independentemente de sua origem, raça, etnia, gênero, religião, condição física, deficiência ou orientação sexual. Toda criança tem direito ao esporte.
  3. Garanta a crianças e adolescentes o direito de ser ouvidos e se manifestar sobre os assuntos do seu interesse no esporte e de exprimir suas opiniões e escolhas.
  4. Exija dos clubes o direito de visitar e se comunicar com frequência com suas crianças e adolescentes. Meninas e meninos não devem ser privados do contato frequente com suas famílias.
  5. Garanta o direito de crianças e adolescentes atletas à educação formal de qualidade. A carga horária do treinamento e os calendários de campeonatos não podem impedir que meninas e meninos frequentem as aulas.
  6. Exija que crianças e adolescentes atletas recebam cuidados médicos preventivos e frequentes, tenham dieta equilibrada e carga de treinamento adequada à idade e à compleição física. Meninos e meninas precisam e devem repousar de forma adequada e não podem ser induzidos a utilizar substâncias proibidas ou que possam oferecer danos à sua saúde.
  7. Garanta que crianças e adolescentes pratiquem esportes em instalações seguras, com equipamentos adequados sob a supervisão de profissionais qualificados.
  8. Proteja crianças e adolescentes contra qualquer tipo de violência, tratamento desumano, discriminatório, intimidador e constrangedor, como maus-tratos, agressões verbais ou violência sexual. É preciso dar a atenção devida às denúncias feitas pelos meninos e meninas. Denuncie os responsáveis e exija as medidas cabíveis.
  9. Proteja crianças e adolescentes do abuso, da exploração sexual ou do tráfico de pessoas. Antes de assinar um contrato, exija todas as informações sobre as cláusulas contratuais de venda, transferência de clube ou qualquer transação comercial. O contrato deve assegurar que os direitos estabelecidos pela Convenção sobre os Direitos da Criança ou pelo Estatuto da Criança e do Adolescente sejam respeitados.
  10. Solicite informações ou apoio das organizações de proteção de crianças e adolescentes em caso de dúvidas quanto aos contratos ou ameaças de possíveis situações de violações de direitos no contexto dos esportes.
  11. Converse sempre com os profissionais dos clubes ou centros de formação de atletas, participando ativamente das decisões sobre o futuro profissional da criança ou do adolescente.

 

 
unite for children