Nossas prioridades

Infância e adolescência no Brasil

Sobreviver e se desenvolver

Aprender

Proteger(-se) do HIV/aids

Crescer sem violência

Ser prioridade absoluta nas políticas públicas

Adolescentes

Raça e etnia

Esportes e lazer

Cooperação Horizontal Sul-Sul

Lista das instituições apoiadas pelo UNICEF

 

Histórias de vida

Todo dia, falo para o Pedro: "De ti eu não desisto. Tu vais ser um campeão!"
Quando Pedro Henrique nasceu, os médicos disseram que ele nunca andaria. Nove anos depois, mãe e filho caminham três quilômetros por dia e ela está em busca de uma vaga para ele na escola.

Com o apoio da mãe e da escola, Sandriely ganhou três medalhas de ouro na natação
Sandriely, 15 anos, tem um currículo de fazer inveja a muito competidor profissional: mais de 10 medalhas de ouro e prata em competições escolares regionais e nacionais. A menina tem deficiência intelectual e encontrou no esporte um caminho de superação.

O trabalho em equipe e o app Proteja Brasil ajudam a proteger as crianças durante os megaeventos
Como numa equipe esportiva vitoriosa, proteger meninas e meninos exige trabalho em equipe de pessoas com habilidades diferentes com um objetivo comum, e é uma responsabilidade que o 'Time Brasileiro’, com diversas organizações, leva muito a sério.

Breno da Tocha
"Meu nome é Breno e tenho 14 anos. Moro na aldeia pataxó de Barra Velha. Fiquei tão feliz e orgulhoso quando meu professor me disse que eu tinha sido selecionado para ser um dos seis adolescentes que carregariam a tocha olímpica em nome do UNICEF."

Jovem paraense supera limitações e sonha ser atleta paralímpica
Adriana Santos, 15 anos, tem paralisia cerebral devido a precário atendimento obstétrico e, segundo prognósticos, não andaria ou falaria. Hoje participa de competições em corrida, salto a distância e arremesso de peso, que já lhe renderam 10 medalhas.

Futebol ajuda adolescente baiano a se adaptar à realidade do Rio de Janeiro
"No campo eu me sinto voando", diz Walas Souza, 15 anos, que, como muitos de sua idade, sonha em ser jogador de futebol. Mas Walas deseja também que o futebol mude a vida de todos, especialmente das crianças.

Adolescente treina handebol e leva esporte para crianças de sua comunidade em São Paulo
Alan Kaique, 17 anos, acredita que ter iniciado a prática esportiva desde criança contribuiu muito para sua formação e para sua saúde. Ele procura levar o que aprende dentro das quadras para sua vida e para sua comunidade Cantinho do Céu, no Grajaú.

"Decidi ser professora para fazer o esporte chegar a mais pessoas"
A experiência como jogadora de futsal motivou Daniele Cristina Carqueijeiro de Medeiros, 25 anos, a estudar educação física. Mas, ao começar a cursar a faculdade, decidiu se tornar professora. "Achei que poderia incentivar as meninas a jogar futebol".

"Aprendi que é possível a inclusão de todas as crianças no esporte"
Em 1990, José Carlos de Oliveira, bibliotecário, criou o projeto Sementes do Amanhã, em Piracicaba, que atende hoje 120 crianças e adolescentes. Mais de 2.500 crianças e jovens já passaram pelo projeto que tem o esporte como base.

"Acredito que é possível mudar a realidade de violência e intolerância que vivemos"
Atuante na região da Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro, Paulo Henrique Menezes da Silva, o Mestre Paulão, 50 anos, está sempre em busca de novos cursos e de informações para aperfeiçoar seu trabalho ligado à capoeira, à música e ao esporte.

Tal Pai Tal Filho: unindo famílias por meio da recreação
Jucielen, 16 anos, sabe muito bem da importância da sua participação no seu município. Com seu projeto Tal Pai Tal Filho pretende aproximar pais e filhos por meio do esporte e da recreação.

Quando o esporte transforma vidas
Bruna Alvarenga, 15 anos, superou barreiras por meio do esporte e hoje atua com outros adolescentes para garantir esse direito a meninas e meninos.

 

 
unite for children
and