Nossas prioridades

Infância e adolescência no Brasil

Sobreviver e se desenvolver

Aprender

Proteger(-se) do HIV/aids

Crescer sem violência

Ser prioridade absoluta nas políticas públicas

Adolescentes

Raça e etnia

Esportes e lazer

Cooperação Horizontal Sul-Sul

Lista das instituições apoiadas pelo UNICEF

 

Um jovem que faz a diferença

© UNICEF/BRZ/Letícia Serafim

Wallace Gonçalves é um jovem de 18 anos, morador da Grota, comunidade do Complexo do Alemão, que há dois anos não tinha a menor idéia do que seria de sua vida.

Tudo começou a mudar em 2006, quando sua filha Maria Eduarda nasceu. Nesta época, Wallace freqüentava o Clube de Adolescentes da Comunidade da Grota, no Complexo do Alemão. O Clube é um projeto gerido pelos próprios adolescentes, que teve início a partir de uma pesquisa financiada pelo UNICEF. Foi quando o padrinho de sua filha o indicou ao cargo de dinamizador do Clube. Wallace aceitou o desafio e, a partir daí, começou a descobrir o que seria da vida.

Em um curto espaço de tempo, participou de cursos sobre saúde e prevenção de doenças sexualmente transmissíveis no Cedaps (Centro de Promoção da Saúde). Ingressou como dinamizador no RAP da Saúde, projeto da prefeitura que trabalha com a prevenção em saúde entre os jovens. Pouco mais tarde, Wallace fundou, com outros jovens e a líder comunitária Lúcia Cabral, o Educap, uma ONG que agora atua na Comunidade da Grota.

Segundo Wallace, o Educap nasceu da necessidade de levar aos moradores da Grota serviços e atividades de lazer e cultura. “As pessoas tinham que andar cerca de 30 minutos para ter acesso a outras ONGs, ou instituições públicas”, conta Wallace. O Educap realiza atividades de recreação para jovens, reforço escolar, educação física, abriga um núcleo do Clube de Adolescentes, uma biblioteca e um banco de informações.

O poder da informação
Sua atuação como jovem multiplicador fez Wallace perceber o poder da informação. Além do seu tema carro-chefe que é DST e HIV/aids, ele começou a passar para outros jovens da comunidade informações sobre Direitos Humanos. “Como jovem, negro e morador de comunidade, me preocupo muito com a visão distorcida que a sociedade tem das comunidades. A visão de que todo jovem de comunidade é associado ao tráfico, à marginalidade ou ao subemprego”.

Wallace é o exemplo do quanto essa visão é equivocada. “Passei a bater de frente com essas idéias, a lutar pelos direitos das pessoas que vivem nas comunidades e pelos meus próprios direitos. Quero ser um jovem que faz a diferença”.

Plataforma dos Centros Urbanos
Wallace participou do Grande Encontro da Plataforma dos Centros Urbanos e pretende formar um Grupo Articulador Local na sua comunidade. Melhorar a qualidade de vida e fazer chegar políticas públicas para a juventude é o que ele espera que a Plataforma faça.

Questões como tráfico, educação, primeiro emprego devem estar na pauta da iniciativa. “O jovem precisa de perspectivas para não optar por alternativas aparentemente mais fáceis de vida. Porque, como qualquer outro jovem, o cara que vive na comunidade também quer se vestir bem, sair, se divertir, ser feliz. É nosso direito!”.

 

 
unite for children